Duarte Lima já está no tribunal de Sintra para conhecer medidas de coação

Duarte Lima já está no tribunal de Sintra para conhecer medidas de coação
| País
Porto Canal/ Agências

O antigo deputado Duarte Lima já está no Tribunal de Sintra para ser presente ao juiz de julgamento do caso de homicídio de Rosalina Ribeiro, após o Ministério Público ter proposto um agravamento das medidas de coação.

Duarte Lima deixou a esquadra da PSP de Casal de Cambra cerca das 09:15 e chegou ao tribunal aproximadamente 20 minutos depois. O antigo deputado saiu na quinta-feira da prisão da Carregueira, Belas (Sintra), onde estava a cumprir pena no processo Homeland, mas foi de imediato detido ao abrigo do processo de homicídio em 2009 de Rosalina Ribeiro, a antiga secretária e companheira do milionário português Lúcio Tomé Feteira.

Cabe agora ao juiz do tribunal de Sintra decidir se aceita o pedido do Ministério Público de agravamento das medidas de coação de Duarte Lima ou se permite que o arguido continue a aguardar o julgamento com Termo de Identidade e Residência (TIR), a medida de coação mais leve e decorrente do estatuto de arguido.

Duarte Lima foi condenado, em 2014, a seis anos de prisão, por burla qualificada no caso Homeland, extraído do processo do Banco Português de Negócios (BPN). Deu entrada na cadeia da Carregueira em 26 de abril de 2019 para cumprir o remanescente da pena de prisão a que tinha sido condenado, tendo saído esta sexta-feira em liberdade condicional, mas com o futuro incerto mercê do mandado de detenção do MP.

O início do julgamento do homicídio de Rosalina Ribeiro, que ocorreu perto do Rio de Janeiro, tem início marcado para 23 de novembro.

+ notícias: País

Fisco vai avaliar e atualizar matrizes das barragens para cobrar IMI

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai fazer uma avaliação e atualização das matrizes das barragens e avançar com a cobrança do IMI desta tipologia de bens, segundo determina um despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Nuno Félix.

Período de transição entre contratos do SIRESP vai custar ao Estado 7,4 milhões de euros

O período de transição vai custar, ao Estado, 1,2 milhões de euros por mês. De acordo com o Jornal de Notícias, o processo só deverá estar concluído no final de junho.

Primeiro prazo para reforço do poder das regiões já falhou

O prazo para o reforço do poder das regiões, no âmbito da transferência de competências das direcções regionais para as CCDR, seria o fim de janeiro. No entanto, de acordo com o jornal Público, o diploma ainda não está concluído.