Duarte Lima sai em liberdade condicional da prisão da Carregueira 

Duarte Lima sai em liberdade condicional da prisão da Carregueira 
| País
Porto Canal

Duarte Lima, ex-líder parlamentar do PSD, que estava a cumprir pena de prisão no Estabelecimento Prisional da Carregueira, em Sintra, no âmbito do caso Homeland, por burla qualificada ao BPN (Banco Português de Negócios), vai sair em liberdade condicional. 

 

 

O antigo líder parlamentar do PSD foi, em 2014, condenado a seis anos de prisão por burla qualificada no caso BPN (Banco Português de Negócios). Agora aguardará em liberdade condicional o julgamento do caso da morte de Rosalina Ribeiro, , antiga secretária e companheira do milionário português Lúcio Tomé Feteira.

Sublinhe-se que o ex-deputado social-democrata se encontrava preso desde abril de 2019, faltando-lhe cumprir, nessa altura, três anos e meio da pena de prisão de seis anos a que foi condenado em 2014. Durante a investigação, Duarte Lima esteve em prisão preventiva e domiciliária, tendo, por isso, sido descontados dois anos e meio à pena final.

Apesar do ex-líder parlamentar dos sociais-democratas ter confessado os factos pelos quais foi condenado no processo do BPN (uma burla de cerca de 43 milhões de euros), o Tribunal de Execução de Penas rejeitou, no início do verão, dar-lhe liberdade condicional, defedendo que o arguido não interiorizou a culpa.

Lima recorreu da decisão e agora o Tribunal da relação de Lisboa decidiu libertá-lo com efeitos imediatos. 

Duarte Lima aguardará, assim, em liberdade o julgamento do caso de Rosalina Ribeiro por ter alegadamente, em 2009 no Brasil, ter matado a tiro a, à data, sua cliente. Recorde-se que o corpo da vítima foi, de seguida, abandonado na berma de uma estrada de terra batida em Maricá, nos arredores do Rio de Janeiro.

O início do julgamento está marcado para 23 de novembro, no Tribunal de Sintra.

+ notícias: País

Fisco vai avaliar e atualizar matrizes das barragens para cobrar IMI

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai fazer uma avaliação e atualização das matrizes das barragens e avançar com a cobrança do IMI desta tipologia de bens, segundo determina um despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Nuno Félix.

Período de transição entre contratos do SIRESP vai custar ao Estado 7,4 milhões de euros

O período de transição vai custar, ao Estado, 1,2 milhões de euros por mês. De acordo com o Jornal de Notícias, o processo só deverá estar concluído no final de junho.

Primeiro prazo para reforço do poder das regiões já falhou

O prazo para o reforço do poder das regiões, no âmbito da transferência de competências das direcções regionais para as CCDR, seria o fim de janeiro. No entanto, de acordo com o jornal Público, o diploma ainda não está concluído.