"Sim" em referendos à anexação à Rússia lidera com 97%. NATO fala em "violação do direito internacional"

 

 

"Sim" em referendos à anexação à Rússia lidera com 97%. NATO fala em "violação do direito internacional"
 
 
| Mundo
Porto Canal

A imprensa russa está a avançar que mais de 97% dos votantes disseram sim à adesão à Rússia, nos referendos que decorreram entre 23 e 27 de setembro nos territórios ucranianos ocupados pelas tropas de Moscovo. 

De acordo com a agência de notícias, Ria Novosti, mais de 97% dos votantes disseram sim à adesão à Federação Russa, isto ainda com menos de um quarto dos votos contabilizados.

Na autoproclamada República Popular de Donetsk, onde foram apurados 20,64% dos votos, 98,27% dos eleitores manifestaram-se a favor da integração na Rússia.

No que diz respeito a Lugansk, onde 21,11% dos votos já foram contabilizados, 97,93% votaram favoravelmente. Na região de Zaporíjia foram 98,19% os votos favoráveis à entrada na Rússia, e na região de Kherson 97,63% votaram sim, sendo que 27% dos votos já estarão contados.

Referendos são uma "flagrante violação da lei internacional"

No Twitter, o responsável diz que, numa conversa com o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, deixou claro que o apoio da NATO à defesa da Ucrânia é "inabalável. Na mesma publicação, considera que os referendos da Rússia não são legítimos. Afirma ainda que são uma "violação flagrante do direito internacional".

 

 

+ notícias: Mundo

Fim do “Modo Avião”. União Europeia vai permitir chamadas e acesso à internet durante os voos

Os passageiros das companhias aéreas a voar em céus europeus poderão, em breve, dar uso total aos seus telemóveis durante o período de voo.

Pelé colocado em cuidados paliativos após suspensão da quimioterapia

Segundo a Folha de São Paulo, a quimioterapia que Pelé fazia desde 2021 foi suspensa e o antigo jogador está a ser submetido a "medidas de conforto", destinadas a aliviar as dores e a falta de ar.

Economia da Rússia "será destruída" ao limitar-se os preços do petróleo

Presidência ucraniana garante que a economia de Putin "será destruída" depois de ser introduzido um máximo para o preço do barril de petróleo em 60 dólares, após o acordo selado pela União Europeia, o G7 e a Austrália.