Chega saúda "viragem à direita" em Itália e antevê "ventos de mudança" em Portugal

Chega saúda "viragem à direita" em Itália e antevê "ventos de mudança" em Portugal
| Política
Porto Canal / Agências

O Chega saudou a "viragem à direita" da Itália e considerou que os resultados das eleições legislativas de hoje neste país abrem caminho a "uma reconfiguração política da Europa", prevendo que também tenham consequências em Portugal.

"Estamos seguros de que estes ventos de mudança irão chegar a Portugal e que também os portugueses terão direito a virar a página e eleger quem seja capaz de defender os seus interesses", salienta o partido de extrema-direita português, em comunicado.

O Chega congratula-se, em especial, "com a votação obtida pelos seus congéneres europeus, liderados por Giorgia Meloni e Matteo Salvini".

"Os resultados obtidos por Giorgia Meloni e Matteo Salvini nas eleições italianas abrem caminho a uma verdadeira mudança de políticas em Itália e, ao mesmo tempo, a uma reconfiguração política da Europa", sublinha o Chega.

O partido liderado por André Ventura refere que, depois da Suécia -- onde também se registou uma vitória de uma coligação da direita e extrema-direita nas eleições legislativas de 11 de setembro -, "é agora a vez de a Itália dar mais um sinal claro de que o Continente europeu está em profunda mudança".

"Os eleitores confiam cada vez mais nos partidos que defendem, sem reservas, a soberania dos seus povos, as suas tradições e valores civilizacionais, como é o caso do Chega em Portugal", defendem.

O partido felicita "com grande entusiasmo" Giorgia Meloni e Matteo Salvini pelos resultados obtidos e manifesta a esperança de que "consigam rapidamente formar governo e dar aos italianos uma solução governativa forte, estável e capaz de enfrentar os tempos duros que se avizinham".

O Chega já convocou para segunda-feira uma conferência de imprensa com o presidente do partido, André Ventura, para abordar estes resultados, entre outros temas.

A coligação de direita e extrema-direita, liderada pelo partido Irmãos de Itália, pode obter entre 41% a 45% dos votos nas legislativas de hoje em Itália, segundo as sondagens à boca das urnas.

A sondagem do Consorzio Opinio Italia para a cadeia de televisão Rai, citada pela ANSA, aponta um resultado entre os 25,5% e os 29,5% para o bloco de centro-esquerda, liderado pelo Partido Democrático, de Enrico Letta, enquanto o Movimento 5 Estrelas terá entre 15,5% e 17,5%.

À direita, as sondagens apontam entre 22% e 26% ao partido de extrema-direita Irmãos de Itália, liderado por Giorgia Meloni, enquanto a Liga, de Matteo Salvini, obtém entre 8,5% a 12,5%. Já o partido conservador Força Italia, de Silvio Berlusconi, recolhe entre 6% e 8% dos votos neste estudo.

Os primeiros resultados oficiais das legislativas só deverão ser conhecidos durante a madrugada de segunda-feira.

A taxa de abstenção poderá atingir cerca de 36%, mais nove pontos do que nas eleições de 2018.

Segundo a Rai, sondagem tem uma margem de erro de 3,5%.

Mais de 50 milhões de italianos foram hoje chamados a votar nestas eleições legislativas.

Devido à pulverização partidária, nenhum partido deverá obter uma maioria suficiente para governar sozinho.

A direita e a extrema-direita conseguiram um acordo de coligação que poderá levar Giorgia Meloni ao poder e a tornar-se na primeira primeira-ministra de Itália. Integram a coligação o partido conservador Força Itália, do ex-primeiro-ministro Sílvio Berlusconi, e a Liga, de Matteo Salvini, conhecido pela sua política dura contra a imigração.

+ notícias: Política

TAP. António Costa e Medina devem pedir “desculpa” aos portugueses, diz Montenegro

O presidente do PSD, Luís Montenegro, considerou esta segunda-feira que o primeiro-ministro e o ministro das Finanças devem pedir “desculpa aos portugueses" por “terem injetado mais de três mil milhões de euros” na TAP.

Exames finais no ensino secundário são para manter, garante Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, garantiu ao final da tarde desta segunda-feira que o Governo vai manter os exames finais no ensino secundário.

Marta Temido é a nova presidente da concelhia do PS de Lisboa

Marta Temido é a nova presidente da comissão política da concelhia de Lisboa do Partido Socialista. Segundo avançou a ‘CNN Portugal’, a ex-ministra da Saúde assume o cargo que anteriormente era assegurado por Davide Amado.