Eleições italianas: Sistema presidencialista é bandeira da candidata da extrema-direita

Eleições italianas: Sistema presidencialista é bandeira da candidata da extrema-direita
| Mundo
Porto Canal / Agências

A dirigente dos Irmãos de Itália, Giorgia Meloni, declarou no último dia de campanha que o bloco de direita que lidera trará o presidencialismo ao país, se obtiver, como esperado, uma maioria de dois terços no parlamento nas legislativas de domingo.

No último comício antes do escrutínio, a candidata favorita a tornar-se a próxima primeira-ministra de Itália insistiu nesta medida, uma das principais propostas dos Irmãos de Itália (FdI), de extrema-direita: fazer com que a eleição do Presidente italiano seja feita diretamente, por sufrágio universal, em vez de como é agora, por votação do parlamento.

“Faremos uma alteração no âmbito presidencial e ficaremos felizes se a esquerda quiser ajudar-nos, mas se os italianos nos derem os números necessários, também a faremos sozinhos”, declarou Meloni, num enorme comício na Piazza del Popolo, no centro de Roma, ao lado dos seus dois parceiros de coligação: Matteo Salvini, da Liga, e Silvio Berlusconi, do Força Itália (FI).

Se o bloco de direita e extrema-direita obtiver uma maioria de dois terços nas duas câmaras do parlamento italiano - Câmara de Deputados e Senado – nas eleições do próximo domingo, conseguirá fazer aprovar a forma como é eleito o chefe de Estado alterando a Constituição, sem ter de confirmar tal medida num referendo ao povo italiano.

A promessa de Meloni foi condenada numa entrevista concedida ao jornal Corriere della Sera pelo dirigente do Partido Democrático (PD), Enrico Letta, que lidera o bloco de centro-esquerda que é o principal adversário à coligação de direita.

“Ontem, caiu a última máscara: eles querem rasgar a Constituição, de preferência sozinhos, e não fazem segredo disso. Impedi-los-emos de o fazerem”, disse o ex-primeiro-ministro ao diário italiano.

Salvini também expressou reservas, sugerindo que um referendo talvez fosse uma boa ideia, mesmo que tecnicamente desnecessária se a coligação de direita obtiver uma grande maioria.

“Se eu tiver de mudar a Constituição, prefiro ter um acordo sobre as reformas, porque reformas impostas pela maioria no poder nunca vão longe”, observou o dirigente da Liga.

“Se querem rever a Constituição, é vosso dever envolver todo o país, não apenas os partidos”, acrescentou.

Giorgia Meloni apelou à "prudência" na sequência de declarações do líder da Liga, que disse que apresentará uma moção de censura contra a presidente da Comissão Europeia, alegando que Ursula von der Leyen prometeu tratar Itália como fez com a Hungria e a Polónia, se a direita vencer as eleições italianas e introduzir políticas nacionalistas e ameaçar os direitos civis.

+ notícias: Mundo

Mais de 3800 vítimas mortais no terramoto que abalou a Turquia e a Síria

Pelo menos 3800 mortos e milhares de pessoas ficaram feridas na sequência do sismo que abalou o sul da Turquia e o norte da Síria. Segundo o balanço mais recente o jornal ‘The Guardian’, na Turquia já morreram pelo menos 2379 pessoas e 1200 na Síria.

Política “zero covid” afetou a influência da China na Ásia

A China perdeu influência na Ásia, em 2022, devido ao isolamento a que se submeteu no âmbito da política ‘zero covid’, embora tenha aumentado a sua capacidade militar.

O balão que sobrevoou a América Latina é de origem chinesa

O governo chinês disse esta segunda-feira que o balão avistado sobre a América Latina, e designado pelos Estados Unidos como um dispositivo de “vigilância”, tem origem na China, mas que é de “natureza civil”.