Info

Bloco de Esquerda contra "privatização" do Teatro Aveirense

| Norte
Fonte: Agência Lusa

Aveiro, 20 mai (Lusa) - O Bloco de Esquerda de Aveiro acusou hoje a Câmara PSD/CDS de estar a executar um "estudo secreto" para a fusão do Teatro Aveirense com a AveiroExpo, reduzindo aquela casa de espetáculos a uma sala de eventos.

Nelson Peralta, da concelhia do BE e candidato daquele partido à Câmara de Aveiro, disse hoje em conferência de imprensa que, "como os cartazes (do Teatro Aveirense) mostram, a integração com a AveiroExpo está a ser feita sem que haja nenhuma decisão da Assembleia Municipal, ou mesmo decisão do executivo, que a suporte.

"Estamos perante uma privatização encapotada porque grande parte do capital a que fica adstrito o Teatro Aveirense é privado. Esta a forma de governar do PSD/CDS, com cartas na manga e estudos secretos, avançando com medidas sem dizer nada a ninguém, nas costas da própria assembleia e mesmo do executivo, onde esta incorporação não foi votada, nem discutida", disse.

As consequências, segundo Nelson Peralta, podem-se adivinhar pelos exemplos do que se passou com "o Rivoli e o Batalha, no Porto, que no início eram o topo da arte e no final estavam obsoletos, nada foi recuperado, mantido, ou evoluiu", com a mudança no modelo da sua exploração.

"Quando existe uma privatização da principal sala da Cultura em Aveiro, sabemos que se vão sobrepor os eventos à Cultura. Vamos ter uma calendarização de eventos para fora e não uma verdadeira política cultural que envolva os seus agentes em Aveiro", critica.

Para o Bloco de Esquerda, a principal sala de espetáculos de Aveiro vai ser "reduzida a uma mera sala de eventos, como se passou com o Batalha, quando passou a ser gerido pela Associação Comercial do Porto passou a ser usado para congressos e eventos comerciais e para uma Cultura de consumo imediato, já digerida".

Os bloquistas salientam que Aveiro já tem um Centro de Congressos e até mesmo o Parque de Exposições para acolher esse tipo de eventos e acusam a maioria PSD/CDS de "completo desinteresse pela Cultura, fazendo um garrote financeiro sobre o Teatro Aveirense", que ilustram com números.

"Em 2007, o dinheiro gasto em Cultura foi 650 mil euros. Em 2012 ficámos nos 145 mil euros. Praticamente cinco vezes menos. Em 2007 no Teatro Aveirense foram investidos 376 mil euros e em 2012 foram investidos zero euros. Esta é a radiografia das políticas culturais desta câmara PSD/CDS", afirma Nelson Peralta.

Em declarações públicas, a vereadora da Cultura, Maria da Luz Nolasco, confirmou o estudo da incorporação do teatro Aveirense na empresa AveiroExpo, cujo capital é participado pela Associação Industrial do Distrito de Aveiro (AIDA), negando que o estudo seja "secreto".

Segundo Maria da Luz Nolasco, o processo implicou uma prévia demonstração de viabilidade económica e é fiscalizado pelo Tribunal de Contas, sublinhando que, com essa solução, se rentabiliza o equipamento cultural e se salvaguardam postos de trabalho.

MSO // JGJ

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Explosão de etanol em escola superior de Ponte de Lima faz dois feridos graves

Duas funcionárias de 52 e 53 anos ficaram hoje feridas com gravidade na sequência da explosão de etanol de um equipamento que aquecia refeições, na Escola Superior Agrária (ESA), em Ponte de Lima, disse à Lusa fonte da proteção civil.

Marta Temido diz que "entidades do setor não lucrativo poderão ser envolvidas nos testes"

A ministra da Saúde, Marta Temido, avançou hoje que está a ser estudada a possibilidade de envolver “outras entidades do setor não lucrativo” para que seja possível dar resposta à procura de testes comparticipados de covid-19.

Maquinistas da Metro Porto em greve devido a "impasse de negociações"

Os maquinistas da Metro Porto encontram-se durante esta sexta-feira em greve e, segundo declarações do dirigente do sindicato dos maquinistas, Hélder Silva, ao Porto Canal, disse que esta greve "deve-se ao impasse de negociações com a subconcessionária da Metro Porto" explicando que "já andam em negociações há mais de um ano, mas sem evoluções". Hélder Silva referiu ainda que a greve "está com 100% de adesão" e sem "serviços mínimos".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.