Porto discute revogação "por mútuo acordo" da gestão do Mercado S. Sebastião

Porto discute revogação "por mútuo acordo" da gestão do Mercado S. Sebastião
| Norte
Porto Canal/ Agências

O executivo da Câmara do Porto discute segunda-feira a revogação "por mútuo acordo" do contrato celebrado com a junta do centro histórico relativo à gestão do Mercado de S. Sebastião, cuja reabilitação acabou por não se concretizar.

Na proposta, a que a Lusa teve esta sexta-feira acesso, o presidente da câmara, Rui Moreira, salienta que face ao "alargado período de tempo decorrido sem o avanço das obras", o município perdeu o interesse na manutenção do contrato interadministrativo celebrado com a União de Freguesias do Centro Histórico.

Celebrado em 17 de setembro de 2019, o contrato interadministrativo, que decorreu do processo de orçamento colaborativo, consistiu na delegação de competências da gestão do equipamento localizado na zona da Sé para a realização das obras de reabilitação necessárias, tendo o município transferido 100 mil euros para o efeito.

O autarca independente esclarece ainda que, a par de "perder o interesse na manutenção do contrato", o município manifestou a vontade em reaver as quantias já transferidas.

"Em resposta, a junta propôs-se restituir o montante transferido para a execução das obras de reabilitação, orçadas em projeto no montante global de 75.000 euros deduzido de despesas já efetuadas referentes ao projeto de reabilitação, projeto de arquitetura e projeto de ITED (no montante total de 4.182 euros) em 36 prestações mensais e sucessivas, no valor de 1.967,16 euros cada", esclarece.

Depois da deliberação do executivo municipal na reunião privada de segunda-feira, a revogação segue para deliberação da Assembleia Municipal do Porto.

Numa carta enviada ao atual presidente da União de Freguesias do Centro Histórico, enviada a 20 de junho e a que a Lusa teve acesso em 04 de julho, Rui Moreira dizia que ia propor o "incumprimento" do contrato e exigir a devolução das quantias recebidas por o equipamento não ter sido reabilitado.

À Lusa, o presidente da União de Freguesias do Centro Histórico do Porto, Nuno Cruz, considerou, a 19 de julho, "legítima" a intenção da autarquia de reaver as quantias referentes à reabilitação do Mercado de São Sebastião, acrescentando que, se a intenção fosse formalizada, pretendia "negociá-la".

No final de 2018, o então presidente da União de Freguesias do Centro Histórico do Porto, António Fonseca, garantiu que aquele mercado iria ser reabilitado ainda em 2019.

O projeto de reabilitação então apresentado incluía a integração de artesanato e cafetaria, construção de sanitários, reorganização das bancas, arranjo da iluminação e aproveitamento da atual estrutura metálica das fachadas para colocação de vidros e placas metálicas de forma a fechar o espaço.

António Fonseca admitia na altura que este projeto custasse cerca de 75 mil euros, sobrando 25 mil para a execução de um segundo projeto - a Biblioteca de Coisas - a localizar na Praça Carlos Alberto. Garantiu, porém, que "faltando dinheiro, a Junta iria comparticipar a obra”.

Quase dois anos depois, em setembro de 2020, António Fonseca explicou que a reabilitação do Mercado de São Sebastião apenas ainda não tinha acontecido devido ao que dizia ser o incumprimento de um decreto-lei que "exige que todos os edifícios públicos adaptem as condições necessárias para permitir a sua acessibilidade", pelo que seriam necessárias plataformas elevatórias.

Por forma a ultrapassar a questão, foi enviado um orçamento e solicitada a intervenção da autarquia, tendo a maioria na Câmara do Porto entendido disponibilizar o montante orçamentado, mais 30 mil euros, conforme proposta que foi apresentada em reunião de câmara.

O presidente da autarquia, o independente Rui Moreira, decidiu porém, durante o debate, retirar a proposta, depois de a oposição PS e CDU ter alertado para "uma desigualdade" e criticado "um processo pouco transparente".

Fonseca lamentou então que insinuações "genéricas" e “falsas" tenham levado o município a retirar a proposta para transferência das verbas extra para a reabilitação do mercado.

+ notícias: Norte

Porto Business School entre as melhores escolas de gestão da Europa, de acordo com o Financial Times

Nova SBE, Católica Lisbon School of Business and Economics, Porto Business School, ISEG e Iscte Business School são as cinco escolas portuguesas que fazem parte do top 95 das melhores escolas de gestão da Europa. 

Oliveira de Azeméis vai criar 92 camas para alunos do Ensino Superior

A Cruz Vermelha Portuguesa e Universidade de Aveiro vão investir quase quatro milhões de euros para criar alojamento para 92 alunos que frequentem o ensino superior em Oliveira de Azeméis, revelou esta quinta-feira essa autarquia do distrito de Aveiro.

Circo de Natal está de regresso para animar cerca de sete mil crianças de Braga

O Circo de Natal está de volta a Braga para animar a comunidade educativa e o público em geral. As crianças dos jardins de infância e das escolas do 1.º ciclo do concelho voltam a viver a magia do Circo, num momento de profunda alegria nesta época natalícia.