Adjudicação da compra de 117 comboios pela CP adiada para fevereiro

| País
Porto Canal / Agências

O ministro das Infraestruturas disse, esta quinta-feira, que espera que a adjudicação da compra de 117 carruagens para a CP, cujo concurso está em curso, aconteça no início de fevereiro, e não este ano, como inicialmente previsto.

"Lançámos um concurso para 117 comboios novos, o concurso está em curso, esperamos adjudicar em início de fevereiro", afirmou aos jornalistas o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, durante a deslocação de comboio para o Conselho de Ministros, no âmbito do Dia Europeu Sem Carros, acompanhado pelo ministro do Ambiente e Ação Climática, Duarte Cordeiro, e pelo secretário de Estado da Mobilidade Urbana, Jorge Delgado.

O caderno de encargos para o concurso dos comboios, apresentado pelo presidente da CP, Pedro Moreira, em dezembro do ano passado, definia que as 117 automotoras que a empresa vai comprar terão um preço base de 819 milhões de euros e que a adjudicação deveria ocorrer este ano.

O governante avisou, porém, que "não há comboios em 'stand'" e será preciso "esperar que eles sejam fabricados".

"Depois de muitas décadas em que o país foi investindo no automóvel excessivamente, nós hoje pagamos caro essa dependência excessiva do automóvel, mas a verdade também é que nos últimos anos nós conseguimos dar prioridade ao transporte coletivo", apontou Pedro Nuno Santos.

Além das automotoras, que incluem 62 unidades para os serviços urbanos e 55 unidades para o serviço regional, a CP tem ainda a opção de aquisição de mais 36 unidades para o serviço urbano. Este concurso não contemplou a compra de comboios de longo curso.

Em 21 de fevereiro, a CP - Comboios de Portugal anunciou ter recebido seis candidaturas ao concurso de aquisição de 117 automotoras, apresentadas por três empresas e três consórcios e onde figuram fabricantes europeus, chineses e japoneses.

A entrega do material deverá estar concluída em 2029.

+ notícias: País

Eduardo Cabrita é candidato a diretor executivo da Frontex

O ex-ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, é candidato a diretor executivo da Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira. Anunciado pela 'Rádio Nascença', Eduardo Cabrita é o único candidato português ao cargo e, segundo fonte próxima do processo, o ex-ministro da Administração Interna tem "fortes hipóteses" de ficar à frente do cargo.

Governo prepara proposta de resposta a agravamento da taxa esforço na habitação

O secretário de Estado do Tesouro anunciou esta quinta-feira que o Governo está a preparar uma proposta no crédito à habitação de resposta ao agravamento da taxa de esforço das famílias, passando pela extensão do prazo ou suspensão da comissão de amortização.

Marcelo saúda proposta face à energia da Comissão como “justa, inteligente e adequada”

O Presidente da República saudou esta quinta-feiraa proposta da Comissão Europeia na área da energia, de reforço aos apoios às empresas e prolongamento das ajudas estatais, classificando-a como “justa, inteligente e adequada”.