CDU quer que Câmara do Porto corrija substituição de paragens de autocarro em curso

CDU quer que Câmara do Porto corrija substituição de paragens de autocarro em curso
| Norte
Porto Canal/ Agências

A CDU quer que a Câmara do Porto corrija a substituição dos abrigos e impeça a sua remoção enquanto não forem repostos os já retirados, defendendo que a substituição visa proporcionar "o chorudo negócio da concessão de publicidade".

Em comunicado, a CDU reivindica que a Câmara Municipal do Porto adote "medidas adequadas" para a correção do processo de substituição dos abrigos das paragens de autocarro e que impeça a "remoção de abrigos antigos enquanto não forem repostos os abrigos já retirados".

Para o partido, a substituição dos abrigos que está a decorrer na cidade "enferma de vários problemas", os quais, considera, são "reflexo das opções e características da atual maioria camarária".

"Em primeiro lugar, esta substituição não tem como objetivo fundamental melhorar as condições de conforto dos utentes dos transportes públicos, mas sim proporcionar, a privados, o chorudo negócio da concessão da publicidade na via pública na cidade do Porto", defende a CDU, dizendo que este é um "traço caracterizador da gestão" do presidente da câmara, Rui Moreira, e que o exemplo "mais expressivo" dessa gestão são as concessões de parcómetros a empresas privadas.

Contactado pela Lusa, o vereador do Urbanismo da Câmara do Porto, Pedro Baganha, afirmou esta quarta-feira que as considerações do partido aliam "um enorme desconhecimento técnico à visão enviesada da realidade que a CDU sempre demonstra".

"Quando o negócio da publicidade, como eles o intitulam, não rendia nada ao município do Porto, a CDU esteve calada, agora que o negócio da publicidade vai render em 15 anos 30 milhões de euros ao município do Porto, a CDU acha que é uma visão deste executivo", disse, acrescentando que o concurso vai acarretar um "aumento do número de abrigos na cidade".

"Nós tínhamos, à data do lançamento do concurso, 569 abrigos e estão previstos na concessão que lançámos 650. Destes 650, estão instalados 80 dos novos abrigos e está previsto que a conclusão da instalação ocorra até fevereiro do próximo ano. A substituição de todos os abrigos da cidade demora tempo, por mais célere que esteja a ser", adiantou Pedro Baganha.

Na missiva, a CDU crítica também a forma como estas infraestruturas estão a ser substituídas, que, diz, "é demonstradora de um profundo desprezo pelo conforto dos utentes", defendendo que a mesma deveria ocorrer "abrigo a abrigo" e não "com a desmontagem dos abrigos antigos sem a sua reposição imediata".

"Fruto desta situação, há hoje, na cidade, dezenas de paragens sem qualquer abrigo, onde os utentes não se podem sentar ou recolher informações sobre os horários e percursos e sujeitos aos elementos. O que, com a aproximação das chuvas, se traduz numa verdadeira falta de respeito pelos utentes, suscetível de desincentivar o uso do transporte público", acrescenta.

Tecendo críticas à "primazia da exploração publicitária em vez do conforto dos utentes", o partido elenca uma série de exemplos que "comprovam esse pecado original", como a "peregrina ideia de, em alguns locais, se colocarem os abrigos de costas para a faixa de rodagem".

Quanto às considerações feitas pela CDU sobre os abrigos invertidos, o vereador Pedro Baganha considerou que são "ou um enorme desconhecimento técnico, ou até alguma má fé, tendo em consideração que a explicação para a instalação de alguns dos abrigos já foi dada à senhora vereadora em reunião de câmara".

Em 12 de setembro, Pedro Baganha afirmou, em resposta a uma questão levantada pela vereadora do BE durante a reunião do executivo, que as paragens de autocarro invertidas são a "melhor solução" em ruas e artérias da cidade onde os passeios são estreitos para acomodar abrigos "normais".

Em resposta à Lusa, a Câmara do Porto afirmou que a instalação dos novos abrigos tem "um cronograma flexível e que poderá ser ajustado às necessidades".

"A Câmara Municipal do Porto estará atenta e tudo fará para minimizar o impacto da intervenção", referiu.

Em 02 de setembro, o presidente executivo da Dreammedia, empresa responsável pela instalação de mobiliário urbano no centro do Porto, disse que o conceito das paragens de autocarro invertidas tem "uma lógica" e "bom senso", tendo sido solicitadas assim pela autarquia.

A Dreammedia ganhou o lote relativo ao centro do Porto do concurso público de concessão de publicidade e mobiliário urbano lançado pelo município, e no conjunto dos lotes a autarquia estima receber cerca de 37 milhões de euros.

+ notícias: Norte

Incêndio em habitação faz quatro desalojados em Paços de Ferreira

Um incêndio deflagrou este domingo no sótão de uma habitação em Paços de Ferreira, no distrito do Porto, causando quatro desalojados, nomeadamente uma mãe e três filhos.

Implementação do Metro do Porto foi "processo de catequização"

O administrador dos Transportes Intermodais do Porto, Manuel Paulo Teixeira, disse que a equipa que lançou o Metro do Porto, da qual fez parte, fez "um processo de catequização" para convencer pessoas, autarcas a instituições.

Impedidos de entrar no Casino de Espinho agridem três PSP. Foram detidos

A polícia deteve três pessoas por injúrias e agressão contra três agentes da PSP que se encontravam ao serviço no casino de Espinho, este domingo.