Fernando Araújo negoceia condições: estrutura dirigente do SNS pode ficar no Porto

Fernando Araújo negoceia condições: estrutura dirigente do SNS pode ficar no Porto
| País
Porto Canal

O atual presidente do Hospital de São João ainda não aceitou o convite do primeiro-ministro para liderar a nova estrutura do Serviço Nacional de Saúde. Segundo apurou o Porto Canal junto de fonte próxima do Ministério da Saúde, Fernando Araújo tem o ‘sim’ preso por “condições”, sendo a mais importante a vontade expressa de que o núcleo duro da direção do SNS trabalhe a partir da cidade do Porto.

Para já, nada é oficial. O Ministério da Saúde recusa comentar diretamente a escolha de Fernando Araújo para diretor-executivo do Serviço Nacional de Saúde, o gabinete do primeiro-ministro está “indisponível” para declarações oficiais, e o próprio Hospital de São João mostra-se intransigente: não há “qualquer comentário nesta fase”.

Mas a notícia da nomeação do médico do Porto tem sido confirmada um pouco por todo o lado. Primeiro foi o Expresso, na manhã de terça-feira, a anunciar a despedida de Fernando Araújo do cargo de presidente do Conselho de Administração de Centro Hospitalar de São João, ao mesmo tempo que abandonava o espaço de opinião semanal que mantinha no Jornal de Notícias. Depois, foi a SIC Notícias a adiantar que a escolha veio da parte do próprio António Costa. Durante a tarde, o Porto Canal confirmou que o convite chegou mesmo a Fernando Araújo, mas o médico ainda não aceitou a proposta.

Porto Canal

O compasso de espera existe, porque a notícia da nomeação de Araújo furou o código de silêncio imposto pelo Governo. António Costa já tinha referido, no início da semana, que o cargo de diretor-executivo ainda não existia oficialmente, e que era preciso esperar por Marcelo Rebelo de Sousa: “O diploma está em Belém para o senhor Presidente da República apreciar. O senhor Presidente da República pode vetá-lo, pode pedir a fiscalização da constitucionalidade ou pode promulgá-lo. Quando o senhor Presidente promulgar o diploma — assim espero que aconteça — nós designaremos o ou a diretora executiva do SNS”.

A notícia dada pelo Expresso mereceu, numa primeira fase, a negação efusiva por parte dos membros do Governo. Ao Porto Canal, o ministro da Saúde falou mesmo de uma “extrapolação abusiva” e que Fernando Araújo não ia ser diretor-executivo “só porque vai deixar de escrever para o JN”. Neste momento, a escolha do presidente do São João é já uma evidência.

Por parte de Marcelo Rebelo de Sousa, ainda não existe data para a aprovação do estatuto do SNS. Neste domingo numa visita à Feira do Livro, em Lisboa, o Presidente da República dizia que o diploma estava no “bom caminho”, e que haveria uma decisão “até ao fim da semana”.

 

+ notícias: País

Já são conhecidas as medidas de coação no caso de tráfico humano no Alentejo

O juiz Carlos Alexandre determinou que 23 dos arguidos, todos eles estrangeiros, ficam em prisão preventiva, outros oito que também ficaram com essa medida têm a possibilidade de passar a ter pulseira eletrónica em prisão domiciliária. Quatro portugueses saem em liberdade, mas ficam proibidos de contactos e com apresentações periódicas às autoridades.

Horários alargados em 176 centros de saúde a nível nacional

Quase duas centenas de centros de saúde estão já a funcionar em todo o país com horário alargado, disponível para consulta no portal do SNS, uma medida que visa diminuir a pressão sobre as urgências hospitalares.

Adão e Silva não vai ao Qatar "contra instâncias que dirigem o futebol mundial." As polémicas do ministro-adepto

Pedro Adão e Silva, em entrevista ao semanário Expresso, garante que não vai ao Mundial de 2022 mesmo que a Seleção Nacional chegue à final. O atual ministro da Cultura defende que o seu lugar no futebol “é no Estádio da Luz”.