Autarca do Porto diz não compreender critérios nem "avanços e recuos" do POC-CE

Autarca do Porto diz não compreender critérios nem "avanços e recuos" do POC-CE
| Norte
Porto Canal / Agências

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, disse hoje "continuar a não compreender" os critérios do Programa da Orla Costeira Caminho em Espinho, nem os "avanços e recuos" relativamente a imóveis na frente marítima, como o Edifício Transparente.

"Não consigo compreender o POC-CE. Andamos nisto desde que o engenheiro Jorge Moreira da Silva era ministro do Ambiente e continuo a não compreender os critérios, principalmente, os avanços e recuos, como o Edifício Transparente, que já nos disseram uma coisa e o seu contrário", observou Rui Moreira durante a reunião do executivo.

As considerações do autarca surgiram no âmbito da proposta de abertura do período de discussão pública à alteração do Plano Diretor Municipal (PDM), fruto do Programa da Orla Costeira Caminha -- Espinho.

Dizendo ter "fortíssimas preocupações" em relação aos critérios do POC-CE, o autarca independente defendeu ser "tempo de o ministério do Ambiente pôr mão com o que se passa com a Agência Portuguesa do Ambiente (APA)", dando o exemplo do sucedido relativamente à estrutura de betão na praia do Ourigo. 

Também o vereador do Urbanismo da Câmara do Porto, Pedro Baganha, salientou que o POC-CE "parece dar com uma mão e retirar com outra as operações urbanísticas", ao incidir, no PDM do Porto, sobre cerca de 50 prédios urbanos, onde não é possível ampliação e aumento de fogos.

"É uma visão setorial da APA que impõe regras sustentadas num conjunto de valores, como a mitigação dos efeitos das alterações climáticas, mas nestes territórios consolidados, há outros valores como os patrimoniais", lembrou, dizendo que a alteração é "imposta por lei".

Entre os cerca de 50 prédios urbanos encontra-se a Casa do Távora, adiantou o presidente da Câmara do Porto, dizendo ser "inaceitável" sujeitar "uma parte significativa da cidade a este tipo de inquisição".

Sobre esta matéria, o vereador social-democrata Vladimiro Feliz alertou para a necessidade de se "clarificarem" essas regras, as quais são "urgentes" tanto para investidores, como para as próprias autarquias.

"A clarificação num tempo razoável dessas regras é urgente quer para os investidores, quer para as câmaras, para não haver passa culpas", observou o vereador do PSD.

Também a vereadora do BE, Maria Manuel Rola -- que na reunião substituiu Sérgio Aires -- salientou que "a falta de ordenamento não se pode continuar a verificar aos dias de hoje" e com "diferentes nuances em diferentes municípios".

"O programa era bastante corajoso inicialmente, mas esta falta de ordenamento não se pode continuar a verificar", disse, lembrando que o processo de contestação em torno do POC-CE fez com que alguns municípios "tenham tido diferenciação no tratamento".

Já a vereadora da CDU, Ilda Figueiredo, salientou a "incongruência" entre a APA e o ministério do Ambiente nesta matéria, dando também como exemplo, o sucedido na praia do Ourigo, caso que, defendeu "é preciso resolver".

"Tudo isto deve merecer atenção e cuidado", considerou.

Aos vereadores, o presidente da Câmara do Porto deu ainda nota de que, no decorrer do processo de transferência de competências, uma praia -- perto da Praia do Aquário -- não ficou sob a alçada do município.

"No mapa, há uma praia que desapareceu. Não foram capazes de corrigir e continuamos a não ter sob a nossa alçada uma das praias do Porto", adiantou.

A primeira alteração ao PDM, que integra as quatro normas específicas do POC-CE e as áreas críticas, estará aberta a discussão pública por um período de 30 dias.

De acordo com o Programa da Orla Costeira Caminha - Espinho, consultado pela Lusa, as normas de natureza específicas dizem respeito às Faixas de Proteção Costeira e às Faixas de Proteção Complementar, às Faixas de Salvaguarda e à Margem.

Aprovado a 11 de agosto de 2021 pelo Conselho de Ministros, o POC-CE abrange as faixas marítimas e costeiras do Porto, tendo o município procedido à transposição de um conjunto de normas que "não implicavam uma decisão autónoma de planeamento".

Em vigor desde julho de 2021, o Plano Diretor Municipal do Porto elenca como "grandes prioridades" o aumento da área verde pública e a qualificação da rede hidrográfica de rios e ribeiras, o aumento da dotação de habitação disponível, a aposta em modos suaves de transporte e a promoção da competitividade económica e do emprego.

+ notícias: Norte

Incêndio em habitação faz quatro desalojados em Paços de Ferreira

Um incêndio deflagrou este domingo no sótão de uma habitação em Paços de Ferreira, no distrito do Porto, causando quatro desalojados, nomeadamente uma mãe e três filhos.

Implementação do Metro do Porto foi "processo de catequização"

O administrador dos Transportes Intermodais do Porto, Manuel Paulo Teixeira, disse que a equipa que lançou o Metro do Porto, da qual fez parte, fez "um processo de catequização" para convencer pessoas, autarcas a instituições.

Impedidos de entrar no Casino de Espinho agridem três PSP. Foram detidos

A polícia deteve três pessoas por injúrias e agressão contra três agentes da PSP que se encontravam ao serviço no casino de Espinho, este domingo.