Ensino superior terá aumento de 3,7% e tutela retoma fórmula de financiamento

Ensino superior terá aumento de 3,7% e tutela retoma fórmula de financiamento
| Política
Porto Canal / Agências

O ensino superior deverá contar com um aumento de 44 milhões de euros no Orçamento do Estado para 2023, mais 3,7% face a 2022, anunciou esta quarta-feira a tutela, adiantando também que vai voltar a aplicar a fórmula de financiamento.

Em comunicado, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) refere que está previsto um aumento no valor de cerca de 44 milhões de euros nas dotações base das universidades e politécnicos já no próximo ano.

Esse reforço, que corresponde a 3,7% face ao ano anterior, será debatido no âmbito da proposta de Orçamento do Estado para 2023, mas, segundo o ministério, já foi comunicado às instituições.

O objetivo, escreve o MCTES, é "cumprir na íntegra o que estava previsto no contrato de legislatura" assinado pelo anterior Governo, com vigência até 2023, e que determina um aumento das dotações equivalente ao da taxa de inflação, se superar os 2%.

Por outro lado, visa também acautelar a aplicação da fórmula de cálculo prevista na lei de financiamento do ensino superior, que não é aplicada de forma sistemática desde 2010 e será retomada no próximo ano.

Já em junho, três instituições tinham acusado a tutela de não cumprir a lei de financiamento, que estabelece que as verbas atribuídas às instituições são definidas com base num conjunto de critérios que tem em consideração, por exemplo, o número de estudantes, docentes e não docentes e indicadores de qualidade e eficiência.

Na altura, o ISCTE-IUL e as universidades do Minho (UM) e da Beira Interior (UBI), explicavam num documento conjunto enviado à Assembleia da República que o executivo passou a definir o financiamento das instituições com base no histórico do ano anterior, agravando desequilíbrios na distribuição das dotações orçamentais.

"O crescimento e a evolução do sistema criaram um desequilíbrio entre os valores que as instituições deveriam receber e o que recebem", reconhece agora o MCTES, acrescentando que, por outro lado, a situação "impossibilitou os potenciais efeitos que a fórmula pretendia ter, no sentido de promover uma maior justiça, eficiência e eficácia do sistema de ensino superior público".

Perante esse cenário, a tutela expressa preocupação quanto ao atual modelo de financiamento e defende alterações, desde logo na revisão da formula de financiamento a partir do próximo ano letivo, que se deverá refletir no Orçamento do Estado para 2024.

Sobre o reforço de financiamento agora anunciado para o próximo ano, o ministério adianta ainda que aumento será de 2,5% para todas as instituições de ensino superior, 0,2% para atualização do valor de compensação da redução e congelamento das propinas.

Está também previsto um aumento adicional correspondente a 1% na dotação base atribuída às instituições "que se encontrem abaixo do valor que corresponderia pela metodologia corretiva adotada para o financiamento".

+ notícias: Política

Aeroporto: Costa elogia PSD mas avisa que usa a maioria do PS se no final não houver acordo

O primeiro-ministro considerou esta terça-feira que o PSD demonstra vontade efetiva de chegar a um acordo sobre o novo aeroporto de Lisboa, mas avisou que usará a maioria PS se no final do processo estabelecido se verificarem divergências.

Fim da propina para ensino de português no estrangeiro não passará no parlamento, afirma Paulo Pisco

Os pareceres do BE, PCP e PAN sobre a eliminação da propina para o ensino de português no estrangeiro foram esta terça-feira votados favoravelmente em comissão parlamentar, uma intenção que não passará no parlamento, segundo o deputado socialista Paulo Pisco.

MAI diz que novo plano de investimentos para forças de segurança é oportunidade para o país

O ministro da Administração Interna disse esta terça-feira que o novo plano de investimento em infraestruturas e equipamentos das forças de segurança até 2026 é “uma oportunidade” para o país e para a resolução dos problemas das polícias.