Covid-19: Incidência elevada mas com tendência para baixar

Covid-19: Incidência elevada mas com tendência para baixar
| País
Porto Canal / Agências

A covid-19 em Portugal tem uma incidência elevada, embora com tendência decrescente, e a mortalidade associada à doença tende igualmente a diminuir, mantendo-se abaixo do limiar europeu, refere hoje o relatório semanal de monitorização da situação epidemiológica.

O relatório, elaborado por técnicos da Direção-Geral da Saúde e do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, continua a recomendar a manutenção das medidas de proteção individual (como o uso de máscaras), a vacinação de reforço e a "comunicação frequente destas medidas à população".

Segundo o documento, que data de quarta-feira e é divulgado semanalmente todas as sextas, a incidência baixou numa semana de muito elevada para elevada, com o número de novos casos por 100 mil habitantes, acumulado nos últimos sete dias, a situar-se nos 207 casos.

Apesar de elevada, a incidência da covid-19 apresenta uma tendência decrescente a nível nacional e em todas as regiões.

O índice de transmissibilidade (Rt) continua inferior a 1 em todo o país - com exceção da Região Autónoma dos Açores (que subiu de 0,88 para 1) - indicando uma tendência de diminuição de novas infeções.

A mortalidade específica por covid-19 situa-se nos 13,7 óbitos em 14 dias por um milhão de habitantes, com uma tendência decrescente, mas está associada em parte a um excesso de mortalidade por todas as causas face aos valores esperados para a época do ano.

O índice de mortos continua, no entanto, inferior pela segunda semana consecutiva ao limiar europeu (que é 20 óbitos por um milhão de habitantes).

O relatório revela que o número de internamentos hospitalares em unidades de cuidados intensivos no território continental tende a estar estável, "correspondendo a 18,8% do valor crítico definido de 255 camas ocupadas".

O rácio entre o número de pessoas internadas e infetadas continua a ser 0,20, "indicando uma menor gravidade da infeção, à semelhança do observado desde o início de 2022".

A linhagem BA.5 da variante Ómicron do coronavírus SARS-CoV-2 (que causa a covid-19) continua a ser "claramente dominante" em Portugal, apresentando "uma maior capacidade de transmissão, a qual é potencialmente mediada por mutações [genéticas] adicionais com impacto na entrada do vírus nas células humanas e/ou pela sua capacidade de evasão à resposta imunitária".

A percentagem de testes positivos para o SARS-CoV-2 observada entre 26 de julho e 01 de agosto foi de 21,4%, com tendência decrescente. Realizaram-se 95.387 testes, menos 12.129 face à semana precedente.

Entre 03 de março de 2020 e 01 de agosto de 2022, Portugal totalizou 5.348.883 casos de infeção, dos quais 345.569 são suspeitos de ser reinfeções.

A covid-19 é uma doença respiratória que se tornou numa pandemia em 11 de março de 2020, depois de o SARS-CoV-2, detetado em finais de 2019 na China, se ter disseminado rapidamente pelo mundo.

Em Portugal, os dois primeiros casos foram confirmados em 02 de março de 2020.

+ notícias: País

Adeptos do Hajduk Split cantam “Força Benfica” no D. Afonso Henriques. Veja o vídeo

Os adeptos do Hajduk Split mostraram referências ao Benfica em pleno Estádio D. Afonso Henriques, em jogo contra o V. Guimarães, a contar para a 3ª eliminatória da Liga Conferência. Estas referências ao clube da luz não são surpresa, uma vez que as claques “Torcida Split” e “No Name Boys” têm um histórico de amizade que perdura, desde a década de 90, como ficou provado nos desacatos que ocorreram na cidade berço, na véspera do encontro.

Sérgio Figueiredo recebeu 2.300 euros por dia durante 13 dias da Câmara de Lisboa

A empresa detida pelo antigo diretor da TVI, em sociedade com a namorada, Margarida Pinto Correia, foi contratada em 2020 pela Câmara Municipal de Lisboa, à data liderada por Fernando Medina, para realizar vídeos “filmados pelos telemóveis das próprias figuras públicas envolvidas” para promover o comércio local. O contrato foi avaliado em 30 mil euros e executado em 13 dias.

Elevada rotatividade de professores afeta mais as escolas carenciadas, revela estudo

A rotatividade de professores “é elevada” e “preocupante” em Portugal, segundo um estudo nacional que revela que é nas escolas socioeconómicas mais desfavorecidas que os docentes menos querem estar.