Novo diretor das prisões diz não ter "varinhas mágicas" e pede realismo nas exigências

| País
Porto Canal / Agências

O novo diretor-geral de Reinserção e Serviços Prisionais alertou hoje que não tem "varinhas mágicas" para mudanças rápidas e pediu realismo nas exigências, mas defendeu que "nada exigir" é "sinal de fraqueza".

No discurso da sua tomada de posse, que decorreu no Salão Nobre do Ministério da Justiça, em Lisboa, Rui Abrunhosa Gonçalves, afirmou que na área funcional que agora vai dirigir não há "funcionários dispensáveis ou inúteis", defendendo que todos devem "dar o seu contributo".

"Mas para tal têm que se sentir motivados. Tudo farei para que assim seja, desde o pessoal técnico e administrativo ao corpo da guarda prisional, mas não tenho varinhas mágicas, que possam alterar rapidamente situações complicadas ou difíceis, que até podem ser estranhas às competências do diretor-geral", disse.

"Em boa verdade, todos devemos ter consciência das dificuldades de que o país é refém, por força da conjuntura internacional adversa, e como tal, teremos de ser realistas nas exigências. Mas nada exigir, nada querer mudar, é um sinal de fraqueza que não perfilho", acrescentou Rui Abrunhosa Gonçalves.

+ notícias: País

Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar pede demissão da direção do INEM

O Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar (STEPH) apresentou queixa ao Ministério Público e vai pedir à tutela a demissão do conselho diretivo do INEM devido a casos de “atraso no envio de meios”, inclusive num incêndio na Guarda.

Presidente da Proteção Civil diz que SIRESP não tem falhas

O presidente da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) disse este domingo que o Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) não tem falhas, mas admitiu períodos pontuais de excesso de utilização.

Governo ordena investigação às causas e combate do incêndio da Serra da Estrela

O Ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, anunciou uma investigação às causas e ao combate do incêndio da Serra da Estrela. Em declarações aos jornalistas neste domingo, na Batalha, José Luís Carneiro disse que assim que o incêndio for dado como extinto serão avaliadas as causas e a metodologia de combate.