Coreia do Sul lançou a sua primeira sonda lunar

| Mundo
Porto Canal / Agências

A primeira sonda lunar da Coreia do Sul partiu esta madrugada de Cabo Canaveral, na Florida, constituindo um marco nas ambições espaciais de Seul, que pretende enviar uma nave espacial à Lua até 2030.

Batizada de Danuri -- uma junção de "Dal", que significa Lua, e "Nuri", que significa desfrutar -, a primeira sonda lunar sul-coreana descolou às 00:08 GMT (01:08 em Lisboa) a bordo de um foguete SpaceX Falcon 9, afirmou o ministério da Ciência da Coreia do Sul, que acrescentando que a nave deverá entrar na órbita da Lua em dezembro.

Segundo o ministro-adjunto da Ciência, Oh Tae-sok, a missão está a decorrer sem problemas e os investigadores estão a comunicar com Danuri através da antena espacial da agência espacial norte-americana (NASA) sediada em Canberra, Austrália.

"A análise da informação recebida via satélite confirmou que a matriz solar da Danuri estava devidamente desdobrada para começar a gerar energia", afirmou à imprensa.

Num vídeo divulgado antes do lançamento da sonda, o presidente do Korea Aerospace Research Institute (KARI), Lee Sang-ryool, assegurou que "Danuri é apenas o começo".

"Se continuarmos ainda mais determinados e empenhados no desenvolvimento de tecnologias para viagens espaciais, poderemos chegar a Marte, a asteróides, num futuro próximo", disse Sang-ryool, que saudou o lançamento da sonda como "um passo muito importante na história da exploração espacial coreana".

Durante a sua missão, que deverá levar um ano, a Danuri utilizará seis instrumentos diferentes, entre eles, uma câmara ultrassensível fornecida pela NASA, usada para estudar a superfície do solo a fim de identificar locais de alunagem para futuras missões.

A Danuri testará também um novo sistema de comunicações espaciais em rede resistente a perturbações, que será uma estreia mundial, avançou o Governo sul-coreano.

Os investigadores pretendem inclusive criar um ambiente de Internet sem fios com a sonda, de forma a ligar-se a satélites ou veículos de exploração. Para testar essa ligação sem fios no espaço, a sonda vai tentar transmitir a canção "Dynamite" do grupo de K-pop sul-coreano BTS.

Gravará também imagens de áreas do lado escuro da Lua, onde os cientistas esperam encontrar fontes escondidas de água e gelo.

"Se a missão tiver êxito, a Coreia do Sul tornar-se-á o sétimo país do mundo a ter lançado uma sonda não tripulada à Lua", comentou um responsável da KARI à agência noticiosa AFP.

De acordo com os cientistas sul-coreanos, a sonda Danuri, que levou sete anos a ser construída, abrirá o caminho para objetivos mais ambiciosos.

Como 12.ª maior economia do mundo e um dos países mais avançados a nível tecnológico, a Coreia do Sul tem ficado até agora para trás na exploração espacial em comparação com outras nações da Ásia, como a China, o Japão e a Índia.

Ainda assim, a Coreia do Sul conseguiu lançar, em junho, o seu primeiro foguetão, o Nuri, concebido a nível nacional, colocando vários satélites em órbita, depois de uma tentativa falhada em outubro passado.

A Coreia do Norte reclama também o seu lugar no clube de países com a sua própria capacidade de lançamento de satélites e alegou em 2012 ter colocado um deles em órbita, através de um foguete que Seul e Washington encararam como um míssil balístico disfarçado.

+ notícias: Mundo

Julho foi dos meses mais quentes jamais registados no mundo

O mês passado foi um dos julhos mais quentes jamais registados no mundo, indicou, esta terça-feira, a Organização Meteorológica Mundial (OMM), uma agência especializada da Organização das Nações Unidas (ONU) com sede em Genebra.

China detecta 35 casos humanos de um novo vírus de origem animal

Um estudo científico revelou a deteção em duas províncias da China de 35 infeções em seres humanos de um novo vírus de origem animal, da família dos Henipavírus, informou esta terça-feira a imprensa estatal do país asiático.

Fornecimento de petróleo russo via Ucrânia foi interrompido

As entregas de petróleo russo a três países europeus através da Ucrânia foram interrompidas após a recusa de uma transação bancária ligada às sanções contra Moscovo, anunciou hoje a empresa russa responsável pelo transporte.