Incêndios: CIM Douro exige medidas urgentes para apoiar populações e municípios

Incêndios: CIM Douro exige medidas urgentes para apoiar populações e municípios
| Norte
Porto Canal / Agências

A Comunidade Intermunicipal (CIM) do Douro exigiu ao Governo medidas de apoio "urgentes" para atenuar os prejuízos sentidos pelas populações, empresas e os municípios de Murça, Alijó e Carrazeda de Ansiães, recentemente atingidos por grandes incêndios florestais.

"A CIM Douro pretende que o Governo disponibilize à região apoios extraordinários por forma a atenuar os graves prejuízos económicos que as populações estão a enfrentar e que cujos efeitos se prolongarão pelos próximos meses", salientou hoje em comunicado enviado à comunicação social.

A pretensão da comunidade intermunicipal, que representa 19 municípios durienses, foi dada a conhecer ao Governo através de uma "carta formal" enviada aos ministérios do Ambiente e da Ação Climática, da Agricultura e da Alimentação, da Administração Interna e da Coesão Territorial.

A CIM solicita que sejam concedidos, com a "máxima urgência", apoios para os municípios afetados pelos incêndios florestais de grandes dimensões ocorridos no mês de julho, nomeadamente Murça e Alijó, no distrito de Vila Real, e Carrazeda de Ansiães, no distrito de Bragança.

"O fogo rural do passado dia 17 de julho, em Murça, foi um dos mais violentos de que há memória no território da CIM Douro, originou a perda de vidas humanas e um volume elevado de danos e prejuízos, quer na floresta, quer nas explorações agrícolas, pecuárias e infraestruturas públicas", segundo é referido no comunicado.

Entre 17 e 21 de julho um incêndio que começou em Cortinhas, Murça, evoluiu também para Vila Pouca de Aguiar e Valpaços.

O relatório da estimativa dos prejuízos, a que a agência Lusa teve acesso, revela que, em Murça, o incêndio afetou mais de 30% da área territorial total do concelho.

Durante este incêndio, um casal com 69 e 72 anos da aldeia de Penabeice morreu, depois do carro onde seguiam ter caído numa ravina. Foram encontrados já mortos e as causas do acidente estão a ser investigadas pela GNR.

Para a CIM Douro, a "dimensão deste incêndio, o impacto negativo na economia e o impacto social que traz à população de Murça e à região, obrigam a que sejam desencadeadas medidas de urgência em vários domínios de apoio às populações, empresas e municípios".

A comunidade intermunicipal pede que seja feita uma "rápida estabilização de emergência na área ardida, corte e venda de material lenhoso, proteção de linhas e pontos de água, garantir a segurança na circulação na rede viária e caminhos florestais e agrícolas afetados, dado o risco de queda de arvoredo".

Reclama ainda medidas de "resposta de emergência destinadas a compensar financeiramente as perdas, e, outras capazes de relançar a atividade económica (floresta, agricultura, pecuária e outras) e nas infraestruturas (viárias, municipais e de proteção civil), visando assegurar as condições básicas para reposição da normalidade da vida das populações".

Depois, reivindica a implementação de medidas de "prevenção que minimizem o risco de incêndios, com intervenção ao nível da floresta, agricultura, pecuária e da proteção civil".

E, por fim, pede a introdução de "medidas capazes de dinamizar a economia da região, através de um projeto-piloto inovador de ordenamento e gestão da paisagem e valorização dos recursos endógenos".

Para a CIM Douro este incêndio rural "configura uma situação excecional, que exige a aplicação de medidas igualmente extraordinárias, tal como sucedeu no passado", referindo-se aos incêndios de 2017.

"As medidas e avisos existentes, concretamente para a floresta, agricultura, pecuária e infraestruturas públicas, ou não existem ou são claramente insuficientes para dar resposta à calamidade. Neste sentido, é de todo urgente a abertura de novos avisos e linhas de apoio direto às populações, empresas e municípios afetados", defendeu.

Esta posição foi tomada por unanimidade dos dezanove autarcas que constituem a Comunidade Intermunicipal do Douro.

Fazem parte da CIM os municípios de Alijó, Armamar, Carrazeda de Ansiães, Freixo de Espada, Freixo de Espada à Cinta, Lamego, Mesão Frio, Moimenta da Beira, Murça, Penedono, Peso da Régua, Sabrosa, Santa Marta de Penaguião, São João da Pesqueira, Sernancelhe, Tabuaço, Tarouca, Torre de Moncorvo, Vila Nova de Foz Côa e Vila Real.

+ notícias: Norte

Populares e ativistas marcaram presença num protesto contra a exploração de lítio na mina do Barroso

Na manhã desta terça-feira, dezenas de populares e ativistas marcaram presença numa manifestação contra a exploração de lítio na mina do Barroso. A arruada simbólica serviu de alerta para os impactos ambientais e para a escassez de água de que a região enfrenta e que a extração mineira pode agravar.

Trabalhadores da maior produtora de cogumelos frescos em greve por melhores salários e condições de trabalho

Os trabalhadores das unidades de produção da maior produtora de cogumelos frescos do país estiveram em greve ao longo desta terça-feira. Ao que apurou o Porto Canal, os trabalhadores exigem um aumento dos salários, do subsídio de alimentação e ainda melhores condições de trabalho.

Uso "desenfreado" de trotinetes aumentou "medo de usar o espaço público" em invisuais

O uso "desenfreado e sem civismo" de trotinetes aumentou o medo de usar o espaço público nas pessoas invisuais, agudizando o sentimento de isolamento de quem não vê, denunciou esta terça-feira a Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal.