PR diz que despacho de Costa pretendeu mostrar estranheza por atitude da Endesa

| Política
Porto Canal / Agências

O Presidente da República considerou hoje que o despacho emitido no início da semana pelo primeiro-ministro sobre o pagamento de faturas à Endesa tinha a intenção política de demonstrar estranheza pelo comportamento daquela empresa.

"Vejo que foi interpretada a intervenção do Governo como sendo sobreposta à ERSE [Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos], ou de conflitualidade relativamente à entidade petrolífera... Que teve uma intervenção inesperada para o contexto vivido", respondeu Marcelo Rebelo de Sousa, questionado à margem de uma visita aos espaços que vão acolher a Jornada Mundial da Juventude, entre Lisboa e Loures, no próximo ano.

No entanto, o chefe de Estado afirmou ter "uma interpretação diferente" do despacho de António Costa.

O primeiro-ministro limitou-se "a dizer que assinou um despacho interno, sobre o procedimento interno, administrativo, do pagamento de determinados montantes".

Na ótica do Presidente da República, o despacho não tem nada que ver "com os contratos, com aquilo que são competências e poderes da ERSE, não tem eficácia externa a não ser uma que é política, que é no fundo, sem dizer, que tinha sido estranho o comportamento daquela entidade".

E deixou um aviso: as empresas produtoras de energia "tiveram ganhos excecionais, que não são só, nem sobretudo, mérito das suas qualidades", e neste período de crise, "isso aumenta a sua responsabilidade social".

O "mínimo dos mínimos", prosseguiu, é não haver "intervenções alarmistas ou especulativas que criem perturbação na comunidade". Já o "máximo dos máximos" da "responsabilidade social" destas empresas seria o contributo para com "os que mais sofrem".

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que a ERSE tem de fazer um esforço para explicar concretamente o que pode acontecer daqui para a frente e como é que os aumentos podem (ou não) mexer com os bolsos dos portugueses.

"Explicar claramente que quem tem tarifa social é assim: não se passa nada; Quem tem realmente contrato, uma situação regulada: passa-se ou não se passa nestes termos - e são 70% dos portugueses -- e quem tem contrato dentro do mercado livre, depende dos contratos serem uma coisa ou outra", completou.

+ notícias: Política

Grupo dos 50 responsabiliza a ministra da Saúde e gestores pela crise nas Urgências

O Grupo dos 50 responsabiliza a ministra da Saúde e gestores pela crise nas Urgências. Este grupo, do qual fazem parte personalidades das mais variadas áreas da sociedade civil, critica a realidade que tem marcado sobretudo os Serviços de Urgência de Ginecologia-Obstetrícia e apela ao Governo para que avance rapidamente com medidas estruturais que garantam a continuidade do Serviço Nacional de Saúde.

Montenegro propõe programa de emergência social no valor de mil milhões de euros

O presidente do PSD anunciou, domingo, que o partido entregou no parlamento uma proposta de programa de emergência social para o período de setembro a dezembro, no valor global de mil milhões de euros de ajuda aos mais necessitados.

Cotrim de Figueiredo acusa PS de transformar Portugal em país "medíocre e incapaz"

O presidente da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo, acusou hoje o PS de estar a transformar Portugal num “país medíocre e incapaz”, com uma visão da maioria absoluta “autoritária e prepotente”.