Profissionalização da Comissão de Instrutores é aposta da Liga de clubes

| Desporto
Porto Canal / Agências

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença, disse hoje acreditar que a profissionalização da Comissão de Instrutores poderá contribuir para a redução de prazos nas questões disciplinares.

Pedro Proença falava durante a ação 'Media Partners Day', que decorreu numa unidade hoteleira de Lisboa e que lançou a nova época das competições da Liga de clubes.

O dirigente destacou na altura as várias medidas tomadas pela Liga para esta época, realçando a intenção de conseguir uma maior celeridade nos casos disciplinares.

"Vamos propor um novo modelo para a Comissão de Instrutores, que possibilitará agilizar os processos", afirmou o líder da LPFP, sublinhando que uma profissionalização "poderá dar uma melhor resposta", já que permitirá "mais condições e uma dedicação exclusiva" aos instrutores.

A questão da agilização da justiça desportiva levou ainda a que Pedro Proença defendesse que o Tribunal Arbitral da Desporto (TAD) não deveria existir, sugerindo ao Governo a criação de um organismo que pudesse decidir mais rapidamente os casos jurídicos.

"O poder político deveria centrar-se na criação de um tribunal desportivo que tratasse destes temas de forma eficaz, com processos céleres e capazes", afirmou, lembrando então que, nos atuais moldes, um castigo decidido pelo Conselho de Disciplina tem ainda recursos para o TAD e depois para o Tribunal Central, atrasando os processos.

Para chamar mais adeptos aos estádios, a Liga propõe várias soluções, tais como o aumento do tempo útil de jogo, medida para a qual o dirigente diz que o organismo tem falado com os vários intervenientes, como treinadores, jogadores, árbitros, para os sensibilizar para o mesmo, reforçando que, na última época, este se cifrou apenas nos 60 minutos.

Para tal, Pedro Proença, antigo árbitro de futebol, falou da criação já esta época de um prémio para a equipa que 'queimar' menos tempo, permitindo assim "uma onda positiva" nos estádios de futebol e penalizando quem não cumpra.

A segurança nos estádios é igualmente aposta da Liga de clubes, para que, segundo Proença, "as famílias possam regressar aos estádios sem qualquer receio".

O dirigente defendeu, entre outras, a tomada de medidas como a monitorização dos acessos aos recintos, a imposição por parte da magistratura das apresentações nas esquadras dos elementos que entretanto ficaram impedidos de entrar em recintos desportivos e um controlo eficaz à pirotecnia, que segundo Pedro Proença, "tem que ser abolida".

A bilhética é outro dos temas que preocupa a Liga e Pedro Proença referiu que há uma proposta para que seja reduzido para metade o valor máximo dos bilhetes - neste momento cifrado nos 75 euros.

As questões da calendarização e dos horários também estão a ser estudadas pela Liga, tendo Pedro Proença referido que, apesar de a Liga portuguesa ser uma das que ainda cumpre as 72 horas de diferença entre os jogos, há uma tentativa de sensibilização aos clubes para o problema.

Olhando para o futuro, Pedro Proença referiu-se várias vezes como fundamental a questão da centralização dos direitos audiovisuais, reforçando que, em 2025/26, será apresentado um modelo de negócio à Autoridade da Concorrência, para que, de acordo com o dirigente, o modelo seja "realidade" em 2027/28.

+ notícias: Desporto

Chelsea poderá ser o próximo destino de Frenkie de Jong. Confira as novidades desta quinta-feira

Confira aqui as principais movimentações, entre certezas e rumores, do Mercado de Transferência do futebol nacional e internacional.

SC Tomar vai ser adversário do FC Porto na Elite Cup 

Os Campeões Nacionais de Hóquei em Patins conheceram, esta quarta-feira, o adversário para a Elite Cup: o SC Tomar. 

PSP suspeita de No Name Boys nos desacatos em Guimarães. Investigações já estão em curso

23 portugueses foram identificados pela Polícia de Segurança Pública na sequência das perturbações na cidade por parte de adeptos do Hajduk Split. O Porto Canal avançou em primeira mão que estes portugueses se tratavam de membros da claque No Name Boys. Agora, o jornal PÚBLICO confirma que a PSP já iniciou investigações ao grupo benfiquista.