Cerca de 1.500 hectares de área ardida no fogo de Vila Pouca de Aguiar

Cerca de 1.500 hectares de área ardida no fogo de Vila Pouca de Aguiar
| Norte
Porto Canal / Agências

O incêndio que deflagrou na quarta-feira em Revel, Vila Pouca de Aguiar, já terá queimado "mais de 1.500 hectares", metade dos quais correspondem a área pinhal adulto, segundo estimativa feita hoje pela Proteção Civil Municipal.

A informação foi avançada esta manhã pela Proteção Civil Municipal que referiu que, numa primeira estimativa da área ardida neste fogo, já terão sido consumidos pelas chamas à volta de 1.500 hectares e que cerca de metade corresponde a área de pinhal adulto.

A fonte referiu ainda que, esta manhã, o incêndio possui "vários pontos quentes" que "merecem atenção", sendo o "mais preocupante" o que está na proximidade da aldeia de Campo de Jales.

"O dispositivo de combate está a debelar as frentes ativas e a consolidar o perímetro do incêndio através de ações de rescaldo, estando também entidades envolvidas em ações vigilância pós-incêndio", referiu.

Segundo o 'site' da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), o fogo mobilizava, pelas 09:30, 412 operacionais, 130 viaturas e sete meios aéreos que estão a concentrar os trabalhos na frente que ainda se mantém ativa neste fogo.

Num ponto de situação sobre o fogo que lavra no concelho de Vila Pouca de Aguiar, o comandante distrital de operações de socorro de Vila Real (CODIS), Miguel Fonseca, disse que, pelas 08:00, "grande parte do perímetro" estava em trabalhos de consolidação e, também, "já em vigilância", mantendo-se uma "frente ativa a arder com alguma intensidade, mas a ceder aos meios".

"Ou seja, temos boas perspetivas para que nas próximas horas consigamos, efetivamente, ter todo o perímetro em consolidação", frisou Miguel Fonseca.

O alerta para este fogo foi dado às 17:14 de quarta-feira e, em pouco tempo, verificou-se uma grande mobilização de meios para esta ocorrência que teve uma progressão muito rápida em zona de pinhal e chegou a avançar em três frentes.

Este incêndio tem rodeado aldeias, como Filhagosa, na quarta-feira, ou Reboredo, na quinta-feira, não tendo, até ao momento, provocado danos em habitações, mas contabilizando grandes prejuízos em áreas de pinhal, bem como em castanheiros ou apiários.

Os populares e os muitos emigrantes de férias nestas aldeias têm-se unido aos operacionais para combater as chamas.

Fonte da GNR disse à agência Lusa que um homem na casa dos 50 anos foi constituído arguido pela suspeita de realização de trabalhos na floresta que poderão ter estado na origem deste incêndio.

Este é o segundo grande incêndio em pouco tempo neste concelho. O fogo que deflagrou no dia 17 de julho, em Cortinhas, Murça, evoluiu para Vila Pouca de Aguiar e queimou uma vasta área de pinhal e mato, ainda soutos, vinha e pastos.

+ notícias: Norte

Combate estabilizado no Marão com previsão de melhorias à noite

O combate ao incêndio que lavra na serra do Marão, em Vila Real, está estabilizado, apesar da maior intensidade do vento, sendo esperadas melhorias com o cair da noite, disse à Lusa o segundo comandante distrital da Proteção Civil.

Fogo no Marão com duas frentes em zona de "difíceis acessos"

O incêndio que lavra desde a noite de sábado na serra do Marão tem duas frentes ativas em zonas de "difíceis acessos", mas não ameaça populações, disse à Lusa o segundo comandante operacional da Proteção Civil de Vila Real.

Obras na linha do Norte perturbam normal funcionamento dos comboios 

As obras na linha do Norte têm estado a perturbar o normal funcionamento dos comboios. Segundo sabe o Porto Canal, em causa está o projeto para o troço ferroviário entre Espinho, distrito de Aveiro, e Vila Nova de Gaia, distrito do Porto.