PS pede parecer ao Conselho Económico e Social sobre temática da violência doméstica

| Política
Porto Canal / Agências

O grupo parlamentar do PS solicitou hoje ao Conselho Económico e Social (CES) que elabore "um parecer sobre a temática" da violência doméstica, cujo combate a bancada socialista já assumiu como prioridade da atual sessão legislativa.

"Longe de ser um tema exclusivamente legislativo, entendemos que é útil que o parlamento possa pensar as políticas públicas que conduzam à sua erradicação -- ou forte redução -- na sociedade portuguesa", justifica o líder parlamentar do PS, Eurico Brilhante Dias, no pedido dirigido ao socialista e presidente do CES Francisco Assis.

Recordando que a bancada do PS assumiu o combate à violência doméstica como "tema transversal" da primeira sessão legislativa da XV legislatura -- que se estende até setembro de 2023 -, o pedido de parecer ao CES salienta que este crime atravessa diferentes estratos populacionais, escalões etários e de rendimento.

"O GPPS entende que seria importante que o CES elaborasse um parecer sobre a temática, a partir de ângulos e perspetivas diferentes, podendo assim contribuir para a reflexão que estamos a fazer", acrescenta Brilhante Dias.

A bancada do PS já afirmou que o combate à violência doméstica será "a marca de água" de todas as iniciativas do partido na atual sessão legislativa.

"Voltaremos em setembro com iniciativas nesse âmbito, quer dentro do hemiciclo, quer fora do hemiciclo, dando visibilidade a uma realidade que temos de combater", frisou o líder parlamentar do PS na semana passada, numa antecipação das jornadas parlamentares que a bancada irá realizar entre 11 e 13 de setembro em Leiria.

De acordo com os dados do Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) relativo a 2021, as forças policiais receberam 26.520 participações por violência doméstica no ano passado, o que representa uma diminuição de 4% face a 2020, tendo detido 2.040 suspeitos, 737 dos quais em flagrante delito.

Entre as tipologias que estão incluídas na violência doméstica, a violência doméstica contra cônjuge ou análogo representou 85% das denúncias.

Por outro lado, continuam a ser as mulheres a maioria das vítimas destas denúncias (74,9%), enquanto os homens são a maioria dos agressores (81%) denunciados.

Em 2021 a Procuradoria-geral da República terminou 34.620 inquéritos por violência doméstica, dos quais foram deduzidas 5.156 acusações, ainda que 21.847 tenham sido arquivados.

O RASI adianta também que em 2021 havia 810 pessoas condenadas pelo crime de violência doméstica, havendo registo de 243 reclusos preventivos, dos quais 208 a aguardar julgamento e 35 a aguardar trânsito em julgado de decisão proferida.

+ notícias: Política

Manuel Pizarro renuncia cargo da empresa da qual era sócio-gerente

O ministro da Saúde, Manuel Pizarro, renunciou o cargo da empresa na área da saúde da qual era sócio-gerente. Segundo avança a 'SIC Notícias', o gabinete do atual ministro da Saúde adiantou que a "empresa em causa irá dar continuidade ao processo de dissolução".

CNE diz que propaganda política é “livre” e vê possível crime da Câmara de Lisboa

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) considera que a atividade de propaganda política é “livre” em locais públicos e que a retirada de ‘outdoors’ em Lisboa por parte da Câmara Municipal pode constituir crime.

Marcelo anuncia próxima reunião do Grupo de Arraiolos para 05 e 06 de outubro no Porto

O Presidente da República anunciou esta quinta-feira que a 18.ª reunião do Grupo de Arraiolos, que junta anualmente chefes de Estado não executivos da União Europeia, se irá realizar em 05 e 06 de outubro do próximo ano, no Porto.