Chega justifica moção com "desorganização e desorientação do Governo"

Chega justifica moção com "desorganização e desorientação do Governo"
| Política
Porto Canal / Agências

O presidente do Chega, André Ventura, justificou hoje a moção de censura apresentada pelo seu partido com a "desorganização e desorientação" do Governo e recusou que o tenha feito "por qualquer motivo de agenda política".

"O senhor primeiro-ministro sabe que tem pela frente um desafio que já não consegue concretizar, a desorganização e a desorientação geral do Governo são prova disso mesmo. O caos na saúde, nos combustíveis, no aeroporto e um ministro que já não existe são a prova final que precisávamos de que este Governo já não está cá para exercer funções", afirmou.

No arranque do debate na Assembleia da República, André Ventura insistiu que "esta moção de censura não é feita por qualquer motivo de agenda política nem por qualquer motivo supérfluo".

+ notícias: Política

Cavaco Silva diz que legalização da Eutanásia não respeita espírito da Constituição

O ex-Presidente da República Cavaco Silva considera que a legalização da eutanásia “não respeita o espírito da Constituição" e defende que a despenalização desta prática é "mais um sinal da deterioração da qualidade da nossa democracia".

2023 "vai ser muito mais difícil", diz Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República alertou esta segunda-feira para um 2023 “cheio de incertezas”, considerando que o próximo ano “vai ser muito mais difícil” do que 2022, devido à guerra na Ucrânia e ao aumento da inflação e das taxas de juro.

Regionalização: PS garante que compromisso com referendo se mantém "inalterado"

O Partido Socialista garante que a posição quanto ao referendo da Regionalização mantém-se “inalterado” e lembra que a vontade já estava inscrita no Programa do XXIII Governo Constitucional. Ao Porto Canal, o partido liderado por António Costa deixa claro que o referendo da Regionalização em 2024 continua a ser uma prioridade e, por isso mantem “inalterada a posição sobre o assunto como tem sido reiterado ao longo dos últimos meses”.