António Costa considera que moção do Chega faz parte da competição dentro da oposição

António Costa considera que moção do Chega faz parte da competição dentro da oposição
| Política
Porto Canal / Agências

O primeiro-ministro considerou hoje que a moção de censura do Chega ao Governo representa um exercício de oportunidade na competição da oposição e acusou este partido de "vociferar muito" e nada propor para o país.

Esta posição foi transmitida por António Costa na abertura do debate da moção de censura do Chega ao Governo, na Assembleia da República.

O primeiro-ministro começou por observar que, em política, "nada é por acaso" e apontou que a moção de censura do Chega foi apresentada "no dia em que se iniciava o Congresso do PPD/PSD e marcada para o dia em que estava prevista uma interpelação do PCP".

"Ou seja, esta moção de censura mais do que dirigida ao Governo é um exercício de oportunidade na competição com os outros partidos da oposição", defendeu.

Para António Costa, a moção de censura é sobretudo dirigida a uma parte da oposição", numa alusão indireta à nova liderança do PSD.

"Como é próprio dos populistas, o Chega vocifera muito, mas nada propõe e nada resolve. Esta é uma distinção essencial entre nós. Os populistas alimentam-se dos problemas. Um Governo responsável, reconhece os problemas e age para os resolver", declarou o líder do executivo.

+ notícias: Política

Chega diz que proposta de referendo do PSD "é inconstitucional"

O Chega defendeu esta terça-feira que a proposta dos sociais-democratas de referendo à despenalização da eutanásia “é inconstitucional” e propôs um acordo com PS, PSD e Iniciativa Liberal para que a consulta se realize a partir do final do próximo ano.

Turismo pode ser a solução para a recessão, diz Ministro da Economia

O ministro da Economia, António Costa Silva, disse esta segunda-feira que Portugal deve diversificar as exportações e as áreas de intervenção, nomeadamente no setor do turismo, para “minimizar” o impacto de uma eventual recessão económica na Europa.

Eutanásia: PS contra referendo e acusa PSD de estar condicionado pela extrema-direita

O líder parlamentar do PS acusou, esta segunda-feira, o PSD de ser seguidista em relação à agenda da extrema-direita ao propor um referendo sobre eutanásia e considerou que Luís Montenegro desautorizou a bancada social-democrata sobre esta matéria.