Declarado estado de calamidade natural em zonas de Sydney afetadas por inundações

| Mundo
Porto Canal / Agências

As autoridades australianas declararam na segunda-feira o estado de calamidade natural em mais de 20 áreas da cidade de Sydney e arredores, após chuvas torrenciais e inundações devastadoras forçarem a deslocação de dezenas de milhares de pessoas.

"Vimos algumas destas comunidades serem afetadas pelas inundações pela terceira ou quarta vez em 18 meses, o que é muito angustiante para os residentes destas comunidades", escreveu num comunicado o ministro da Gestão de Emergência australiano, Murray Watt.

A proclamação do estado de calamidade natural nas zonas afetadas pelas inundações, para onde uma centena de soldados foram destacados e de onde pelo menos 50 mil pessoas tiveram de ser retiradas, vai permitir ao Governo tomar medidas de emergência e aos cidadãos em causa o acesso a ajuda financeira.

As fortes tempestades, que atingiram novamente a costa leste australiana - e poderão continuar durante toda a semana - elevaram o fluxo dos rios, inundaram pontes e estradas e isolaram comunidades, deixando milhares de casas sem eletricidade, de acordo com a emissora pública ABC.

Em março, várias áreas da Nova Gales do Sul, incluindo Sidney ocidental e Lismore, a cerca de 600 quilómetros a norte da cidade, foram atingidas por inundações devastadoras, que fizeram 20 mortos.

+ notícias: Mundo

Julho foi dos meses mais quentes jamais registados no mundo

O mês passado foi um dos julhos mais quentes jamais registados no mundo, indicou, esta terça-feira, a Organização Meteorológica Mundial (OMM), uma agência especializada da Organização das Nações Unidas (ONU) com sede em Genebra.

China detecta 35 casos humanos de um novo vírus de origem animal

Um estudo científico revelou a deteção em duas províncias da China de 35 infeções em seres humanos de um novo vírus de origem animal, da família dos Henipavírus, informou esta terça-feira a imprensa estatal do país asiático.

Fornecimento de petróleo russo via Ucrânia foi interrompido

As entregas de petróleo russo a três países europeus através da Ucrânia foram interrompidas após a recusa de uma transação bancária ligada às sanções contra Moscovo, anunciou hoje a empresa russa responsável pelo transporte.