Lista de Luís Montenegro ao Conselho Nacional tem maioria absoluta com 42 eleitos

Lista de Luís Montenegro ao Conselho Nacional tem maioria absoluta com 42 eleitos
Foto: PSD
| Política
Porto Canal / Agências

A lista da direção ao Conselho Nacional do PSD encabeçada pelo presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, obteve hoje no congresso maioria absoluta, elegendo 42 dos 70 conselheiros, 60% dos lugares.

De acordo com informações avançadas por fontes sociais-democratas, a segunda lista mais votada foi a liderada pelo antigo secretário—geral Matos Rosa com 10 conselheiros (14% dos eleitos).

No última reunião magna, a que concorreram 11 listas ao órgão máximo do partido entre Congressos, a da direção de Rui Rio elegeu 17 dos 70 conselheiros, correspondentes a 24%.

A lista C, dos antigos deputados André Pardal, conseguiu seis mandatos, o mesmo número de conselheiros eleitos pela lista J, encabeçada pelo líder da JSD/Aveiro Pedro Veiga.

Segue-se a lista D, do antigo líder da distrital de Lisboa Luís Rodrigues, com três conselheiros, a lista V, de Luís Miguel Soares (da Guarda), com dois conselheiros, e a lista I (de Interior), liderada por Nuno Ezequiel Pais (da Covilhã), conseguiu um mandato no Conselho Nacional.

Em números absolutos, votaram para o Conselho Nacional 721 delegados, dos quais nove brancos e três nulos.

A lista A recolheu 404 votos, a B 101, a J obteve 66, a C conseguiu 63. Segue-se a D, com 35 votos, a V com 25 e a I com 15.

Para o Conselho da Jurisdição Nacional (CJN), a lista da direção, encabeçada por José Matos Correia, foi a mais votada, conseguindo sete dos nove lugares deste órgão.

A lista B, liderada por José Miguel Bettencourt, elegeu dois elementos, enquanto a lista P, de Pedro Vieitas Antunes, não conseguiu eleger qualquer representante.

+ notícias: Política

António Costa garante que Alemanha "pode contar 100% com o empenho de Portugal" para construção de gasoduto

O primeiro-ministro garantiu hoje que "a Alemanha pode contar 100% com o empenho de Portugal para a construção do gasoduto", depois de o chanceler alemão ter apelado à construção dessa infraestrutura para reduzir a dependência de gás russo.

Marcelo Rebelo de Sousa diz que lei não permite uso de escusas de responsabilidade

O Presidente da República defendeu que, em regra, a lei não permite o uso das escusas de responsabilidade e que, em política, quando se tem razão, é muito importante saber explicar aos portugueses a razão que se tem. Estas declarações do Presidente da República surgem numa altura em que muitos médicos têm apresentado escusas de responsabilidade por considerarem que não estão reunidas as condições necessárias para desempenharem as funções cumprido as regras da boa prática médica.

Ensino superior terá aumento de 3,7% e tutela retoma fórmula de financiamento

O ensino superior deverá contar com um aumento de 44 milhões de euros no Orçamento do Estado para 2023, mais 3,7% face a 2022, anunciou esta quarta-feira a tutela, adiantando também que vai voltar a aplicar a fórmula de financiamento.