Montenegro assume posições de Rio sobre aeroporto

| Política
Porto Canal / Agências

Porto, 01 jul 2022 (Lusa) - O presidente eleito do PSD afirmou hoje que "até decisão em contrário" mantém as decisões de Rui Rio quanto ao novo aeroporto e considerou que a "autoridade e a credibilidade do primeiro-ministro estão feridas de morte irremediavelmente".

"O presidente do PSD vai mudar este fim de semana, mas o PSD é o mesmo e, até decisão em contrário, as decisões do doutor Rui Rio são as minhas decisões e as decisões do PSD", assegurou Luís Montenegro.

Na sua primeira intervenção no 40.º Congresso Nacional do PSD, que decorre entre hoje e domingo no Pavilhão Rosa Mota, no Porto, o novo líder social-democrata considerou que "não há explicação" para o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, "continuar no Governo" depois de ter feito aquilo que fez.

"Se isto não se perceber, e eu duvido muito que se venha a perceber, então a autoridade e a credibilidade do primeiro-ministro estão feriadas de morte irremediavelmente", defendeu.

Há mais de um ano, Rui Rio disse que aceitava alterar a lei que dá atualmente poder de veto a um município sobre grandes obras públicas, desde que o Governo aceitasse realizar uma avaliação ambiental que considerasse tanto a opção Montijo como a de Alcochete, o que foi aceite por António Costa.

FM/SMA // JPS

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Chumbadas propostas para compensar e fixar professores

O parlamento rejeitou esta sexta-feira projetos de lei do PCP, do PAN e do BE em defesa de medidas para compensar os professores deslocados e tornar a profissão mais atrativa, face à carência de docentes nas escolas.

PSD: Montenegro eleito novo presidente com 73% dos votos

O social-democrata Luís Montenegro foi hoje eleito 19.º presidente do PSD com 73% dos votos, vencendo as eleições diretas a Jorge Moreira de Silva, que alcançou apenas 27%, segundo os resultados provisórios anunciados pelo partido.

Cavaco acusa Costa e Governo de "imobilismo" que impede reformas

O antigo Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, defendeu esta sexta-feira que o primeiro-ministro António Costa e o Governo devem sair "da situação de imobilismo" para realizarem as reformas decisivas e colocar a economia portuguesa numa trajetória de crescimento sustentável.