Penas entre 12 e 17 anos para padre e 'freiras' por escravizarem noviças em Famalicão

| Norte
Porto Canal / Agências

O Tribunal de Guimarães condenou hoje a penas entre 12 e 17 anos de prisão um padre e três responsáveis de uma "associação de fiéis" de Requião, em Vila Nova de Famalicão, distrito de Braga, por escravizarem noviças.

O padre Joaquim Milheiro, com cerca de 90 anos, e as arguidas Maria Arminda Costa, Maria Isabel Silva e Joaquina Carvalho, hoje com idades entre os 70 e os 75 anos, estavam acusados de nove crimes (nove vítimas, à data dos factos com idades entre os 12 e os 20 anos) de escravidão, incluindo a escravidão laboral.

Maria Arminda Costa foi condenada a 17 anos de prisão, o padre Joaquim Milheiro foi condenado a 15 anos de cadeia, enquanto a Maria Isabel Silva e a Joaquina Carvalho o tribunal aplicou as penas de 14 e de 12 anos de prisão, respetivamente.

"O tribunal deu como provado, no essencial, os factos que constam da acusação [do Ministério Público]", disse a presidente do coletivo de juízes, Paula Sá, durante a leitura do acórdão.

A juíza presidente falou em "clima de terror e medo", em "agressões bárbaras" cometidas pelos arguidos, assim como de "escravidão e de crimes hediondos praticados por alguém que se diz representante de Deus na terra", os quais levaram à total "exploração e desumanização" das vítimas, que não recebiam "qualquer tipo de contrapartida", permitindo à fraternidade aumentar o seu património na modalidade de "poupança de custos".

Os crimes foram cometidos -- durante cerca de três décadas - na Fraternidade Missionária de Cristo Jovem, instalada num convento em Requião, concelho de Vila Nova de Famalicão, distrito de Braga, pertença do Centro Social de Apoio e Orientação da Juventude, uma Instituição Particular de Solidariedade Social sob a forma de Instituto de Organização Religiosa.

+ notícias: Norte

Populares e ativistas marcaram presença num protesto contra a exploração de lítio na mina do Barroso

Na manhã desta terça-feira, dezenas de populares e ativistas marcaram presença numa manifestação contra a exploração de lítio na mina do Barroso. A arruada simbólica serviu de alerta para os impactos ambientais e para a escassez de água de que a região enfrenta e que a extração mineira pode agravar.

Trabalhadores da maior produtora de cogumelos frescos em greve por melhores salários e condições de trabalho

Os trabalhadores das unidades de produção da maior produtora de cogumelos frescos do país estiveram em greve ao longo desta terça-feira. Ao que apurou o Porto Canal, os trabalhadores exigem um aumento dos salários, do subsídio de alimentação e ainda melhores condições de trabalho.

Uso "desenfreado" de trotinetes aumentou "medo de usar o espaço público" em invisuais

O uso "desenfreado e sem civismo" de trotinetes aumentou o medo de usar o espaço público nas pessoas invisuais, agudizando o sentimento de isolamento de quem não vê, denunciou esta terça-feira a Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal.