Polónia anuncia finalização de "muro de aço" na fronteira com Bielorrússia

Polónia anuncia finalização de "muro de aço" na fronteira com Bielorrússia
| Mundo
Porto Canal / Agências

 A Polónia anunciou hoje a conclusão de um muro de aço ao longo da fronteira com a Bielorrússia, destinado a dissuadir os migrantes de atravessarem a vedação e acusando Minsk de autorizar o seu fluxo para "desestabilizar" a região.

Desde o verão passado, milhares de migrantes e refugiados, sobretudo provenientes do Médio Oriente, atravessaram ou tentaram atravessar esta fronteira.

O ocidente acusou o regime bielorrusso de incentivar este fluxo com o seu aliado russo, no âmbito de um ataque "híbrido", que Minsk desmente.

Em resposta, a Polónia instalou ao logo desta fronteira uma zona proibida a não residentes, incluindo aos trabalhadores humanitários e aos 'media'.

Em paralelo, enviou milhares de soldados e polícias, iniciou a construção do muro e aprovou uma lei que autoriza o reenvio dos migrantes para a Bielorrússia, uma prática condenada por organizações de direitos humanos e de justiça internacionais.

"A barreira que construímos separa-nos da sombria ditadura de [Presidente bielorrusso Alexander] Lukashenko", congratulou-se perante os 'media' Mariusz Kaminski, ministro do Interior polaco.

A Bielorrússia "partilha a responsabilidade da agressão da Rússia contra a Ucrânia", insistiu, exprimindo-se diante da barreira de metal na cidade fronteiriça de Kuznica.

O muro, com uma altura de 5,5 metros, estende-se por mais de 186 quilómetros, e o seu custo foi avaliado em 350 milhões de euros.

Pelo menos 12 pessoas foram mortas na fronteira polaco-bielorrussa onde, durante o inverno, os migrantes e refugiados, muitos em fuga da guerra e da pobreza no Médio Oriente, tiveram de confrontar-se com condições extenuantes e um frio glaciar.

Hoje, o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (TEDH) condenou a Polónia em dois casos distintos de repatriamento de requerentes de asilo chechenos na fronteira com a Bielorrússia.

O Tribunal deu razão a uma família de sete russos provenientes da Chechénia, incluindo quatro crianças, que se apresentaram 16 vezes na fronteira entre a Bielorrússia e a Polónia.

Os guarda-fronteriços polacos recusaram os pedidos de asilo e repatriaram-nos para a Bielorrússia "com um risco de reenvio e de maus-tratos na Chechénia", considerou o TEDH.

Os magistrados sublinharam o caráter "degradante" do tratamento infligido pelas autoridades polacas e recordaram a proibição de expulsões coletivas de estrangeiros, inscrita na Convenção Europeia dos Direitos Humanos.

Pelo contrário, e após a invasão militar russa da Ucrânia, a Polónia abriu as suas fronteiras aos refugiados ucranianos.

+ notícias: Mundo

Julho foi dos meses mais quentes jamais registados no mundo

O mês passado foi um dos julhos mais quentes jamais registados no mundo, indicou, esta terça-feira, a Organização Meteorológica Mundial (OMM), uma agência especializada da Organização das Nações Unidas (ONU) com sede em Genebra.

China detecta 35 casos humanos de um novo vírus de origem animal

Um estudo científico revelou a deteção em duas províncias da China de 35 infeções em seres humanos de um novo vírus de origem animal, da família dos Henipavírus, informou esta terça-feira a imprensa estatal do país asiático.

Fornecimento de petróleo russo via Ucrânia foi interrompido

As entregas de petróleo russo a três países europeus através da Ucrânia foram interrompidas após a recusa de uma transação bancária ligada às sanções contra Moscovo, anunciou hoje a empresa russa responsável pelo transporte.