Oceanos: Marcelo promete empenho pessoal nesta causa para lá do fim do mandato

| País
Porto Canal / Agências

Lisboa, 27 jun 2022 (Lusa) -- O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, apelou hoje ao rápido mapeamento do território marítimo português e a mais investimento na educação ambiental, prometendo empenho pessoal na proteção dos oceanos para lá do fim do mandato.

O chefe de Estado deixou estas mensagens numa iniciativa da Comissão Oceanográfica Intergovernamental da UNESCO inserida na Conferência dos Oceanos da Organização das Nações Unidas (ONU), que decorre na Altice Arena, em Lisboa, entre hoje e sexta-feira.

"Estamos a mostrar cooperação multilateral. Não é a moda nestes dias, a moda é a discórdia, não o consenso. É um bom sinal que aqui em Lisboa falemos de fazer a paz com a natureza e entre nós através do conhecimento, da ciência, da educação", assinalou Marcelo Rebelo de Sousa.

Numa intervenção em inglês, o Presidente da República agradeceu à UNESCO, agência da ONU especializada em educação, ciência e cultura, pelos seus estudos na área da oceanografia, referindo que "durante muito tempo estiveram quase sozinhos" nessa missão.

"Quando falamos de oceanos falamos de urgência, estamos atrasados, falamos de vontade, precisamos de mais vontade política", defendeu.

Quanto ao território marítimo de Portugal, afirmou: "Estávamos muito atrasados no mapeamento, tínhamos apenas cerca de 20%, não é suficiente. E mesmo 30% em 2030 é demasiado tarde, tem de ser antes de 2030. Temos uma enorme plataforma continental, uma zona económica exclusiva, talvez a maior da Europa, uma das maiores da Europa, se não a primeira, a segunda. Temos de a mapear".

"Temos de a mapear porque estamos a aumentar o número de áreas marinhas protegidas. Começámos pelo Atlântico, Madeira e Açores, 30% na Madeira, será 30% nos Açores muito em breve. Mas depois o resto", completou.

Por outro lado, Marcelo Rebelo de Sousa pediu para se "multiplicar o investimento na educação" ambiental que está a ser feito a nível nacional e no quadro europeu com programas como o Escola Azul.

O Presidente da República terminou o seu discurso com um "compromisso pessoal", considerando-se também ele "convocado para a ação" em defesa dos oceanos: "É fácil falar como se fosse um problema dos outros. Não, todos estamos convocados".

Segundo o chefe de Estado, "esta conferência de Lisboa tem de ser não apenas um sinal de que há espaço para fazer a paz, multilateralismo, diálogo, cooperação, mas também um sinal de que vamos agir ainda mais profundamente e mais depressa".

"Por isso, estou comprometido até ao fim do meu mandato, 2026, e depois do fim do meu mandato, porque sou professor, sempre serei professor no que respeita à investigação, educação e futuro dos oceanos", declarou.

"Vamos superar os obstáculos, estou certo", acrescentou.

IEL // SF

Lusa/Fim

+ notícias: País

Futura sede da TAP pode vir a custar 3,8 milhões/ano. Pilotos criticam mudança

O sindicato dos Pilotos da Aviação Civil acusou, esta quinta-feira, a gestão da TAP de “desperdiçar” as receitas do verão com “milhões de erros” cometidos ao longo do ano. Um deles é, segundo a estrutura sindical, o “gasto desnecessário com a mudança da sede da empresa do Aeroporto de Lisboa para o Parque das Nações. Um dos edifícios na mira da companhia aérea nacional tem uma renda anual de quase 4 milhões de euros.

Vida e obra de Luís Ferreira Alves: o pioneiro na fotografia de arquitetura em Portugal

Luís Ferreira Alves, pioneiro na fotografia de arquitetura em Portugal, impulsionou a evolução desta arte desde a década de 80, acarinhado e reconhecido no meio, morreu em Julho aos 84 anos.

Sindicato dos Pilotos da Aviação acusa a TAP de "milhões de erros" 

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil acusa a TAP de desperdiçar as receitas do verão com milhões de erros ao longo ano. Entre os principais problemas apontados pela estrutura está a contratação externa de serviços a várias companhias áreas, num valor superior a 200 milhões de euros.