Violência doméstica: Morreu mulher agredida em Marco de Canaveses

Violência doméstica: Morreu mulher agredida em Marco de Canaveses
| Norte
Porto Canal com Lusa

A mulher de 40 anos que, na segunda-feira, sofreu ferimentos graves em Soalhães, Marco de Canaveses, morreu hoje nos cuidados intensivos do Hospital de S. João, no Porto, disse à agência Lusa fonte daquela unidade hospitalar.

A mulher foi atingida na cabeça por um "objeto não identificado", em aparente contexto de violência doméstica, informou na ocasião a Guarda Nacional Republicana.

O agressor, um homem de 44 anos, entregou-se na quarta-feira, no posto da GNR de Penafiel, informou a autoridade policial.

O caso ocorreu em Soalhães, naquele concelho do distrito do Porto, e está a ser investigado pela Polícia Judiciária.

O alerta para a ocorrência foi registado às 09:38 e a vítima foi assistida no local, sendo transportada para o Hospital de São João, no Porto, pelos bombeiros de Marco de Canaveses.

Segundo a corporação, o alerta inicial sinalizava uma paragem cardiorrespiratória, mas no local verificou-se que a vítima apresentava ferimentos na cabeça

A vítima foi transportada para o Hospital de São João no Porto, em estado grave.

 

+ notícias: Norte

Autoridades proibem banhos em praias de Matosinhos. Veja aqui quais e porquê

As praias de Matosinhos em que os banhos tinham sido desaconselhados pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) na terça-feira, após um incêndio numa fábrica de tintas, foram hoje interditadas, indicou à Lusa o capitão do porto do Douro.

Trotinetes elétricas circulam pelo Porto em zonas proibidas pelo regulamento

As trotinetes elétricas, cuja presença no Porto aumentou nas últimas semanas, circulam em zonas pedonais como Cedofeita, Ribeira ou Santa Catarina, apesar de o regulamento municipal o impedir, constatou a Lusa nestes locais do centro histórico.

Reitor da Univ. Minho diz que reforço de financiamento era o primeiro passo para garantir o futuro da instituição

Em declarações ao Porto Canal na manhã desta quinta-feira, o Reitor da Universidade do Minho, Rui Vieira de Castro, mostrou-se satisfeito com o reforço de financiamento anunciado pelo Ministério da Ciência e do Ensino Superior, acrescentando que este foi apenas o primeiro passo para garantir o futuro da instituição.