Parlamento do Equador discute exoneração do presidente após 12 dias de protestos

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Quito, 24 jun 2022 (Lusa) -- O parlamento do Equador começa hoje a discutir um pedido de exoneração do Presidente, Guillermo Lasso, após 12 dias de protestos contra as políticas económicas do governo que já provocaram cinco mortos e 200 feridos.

O pedido foi feito devido à "grave crise política e comoção interna" e o regulamento prevê que a Assembleia Nacional do Equador deve iniciar o debate em menos de 24 horas, numa sessão em que o chefe de Estado é convocado para fazer uma declaração de defesa.

Guillermo Lasso, que teve um teste positivo a covid-19, está em isolamento desde quarta-feira.

Após o debate, que começa às 18 horas (meia-noite de domingo em Lisboa), a Assembleia tem até 72 horas para decidir se exonera o presidente.

A exoneração exigiria dois terços da Câmara, o que equivale a 92 dos 137 deputados, um número que será difícil de alcançar, depois de partidos como a Esquerda Democrática e o Partido Social Cristão terem anunciado que votarão contra.

Se a moção for bem-sucedida, o vice-presidente assumirá a presidência e serão convocadas, no prazo de sete dias, eleições legislativas e presidenciais antecipadas.

Numa mensagem transmitida pela televisão e publicada nas redes sociais, Guillermo Lasso acusou a oposição, ligada ao ex-presidente Rafael Correa, de uma tentativa de golpe de Estado.

Lasso disse que o líder indígena, Leonidas Iza, que tem também liderado os protestos, "nunca quis cumprir uma agenda em benefício dos povos e nacionalidades indígenas", mas sim "derrubar o governo".

O Presidente apelou à comunidade internacional que "alerte" sobre uma "tentativa de desestabilizar a democracia no Equador".

Na sexta-feira, numa reunião de indígenas, Leonidas Iza disse que "há uma decisão do povo, que quer que o Presidente da República, se não teve capacidade de resolver os problemas, vá embora".

Na semana passada, Guillermo Lasso aceitou parte das reivindicações dos manifestantes, incluindo o cancelamento de dívidas para famílias camponesas de até três mil dólares (2.800 euros), a redução das taxas de juros e o aumento de 50 para 55 dólares (de 47 euros para 52 euros) de um subsídio para famílias vulneráveis.

No entanto, o Presidente recusou o congelamento e redução de preços de combustíveis, o controlo de preços dos bens de primeira necessidade, o fim das privatizações e a suspensão de novas explorações de petróleo e minério na Amazónia equatoriana.

VQ // VQ

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Julho foi dos meses mais quentes jamais registados no mundo

O mês passado foi um dos julhos mais quentes jamais registados no mundo, indicou, esta terça-feira, a Organização Meteorológica Mundial (OMM), uma agência especializada da Organização das Nações Unidas (ONU) com sede em Genebra.

China detecta 35 casos humanos de um novo vírus de origem animal

Um estudo científico revelou a deteção em duas províncias da China de 35 infeções em seres humanos de um novo vírus de origem animal, da família dos Henipavírus, informou esta terça-feira a imprensa estatal do país asiático.

Fornecimento de petróleo russo via Ucrânia foi interrompido

As entregas de petróleo russo a três países europeus através da Ucrânia foram interrompidas após a recusa de uma transação bancária ligada às sanções contra Moscovo, anunciou hoje a empresa russa responsável pelo transporte.