PSD: Distrital do Porto quer "suspensão imediata" da descentralização na Saúde e Ação Social

| Política
Porto Canal com Lusa

Porto, 23 jun 2022 (Lusa) - A distrital do PSD do Porto quer a "suspensão imediata" da transferência de competências na Saúde e Ação Social, promover uma convenção de autarcas e legislação que obrigue o Governo a definir os "envelopes financeiros" da descentralização.

Numa moção a apresentar no 40.º Congresso Nacional do PSD, com o nome "Descentralização | Uma oportunidade perdida, uma reforma adiada", a que a Lusa teve hoje acesso, a Assembleia Distrital do PSD Porto exorta ainda a nova Comissão Política Nacional a pugnar pela realização de um Congresso Extraordinário da Associação Nacional de Municípios Portugueses [ANMP].

Segundo avalia aquele órgão distrital do PSD, "o processo de descentralização, executado sob a exclusiva responsabilidade do Governo socialista, pese embora o beneplácito de uma direção da ANMP, falhou redondamente todos os objetivos e incumpriu todos os compromissos assumidos com o PSD, em abril de 2018".

Para a distrital social-democrata, "a descentralização ou não foi feita ou foi malfeita, constituindo, no essencial, uma oportunidade perdida e uma reforma adiada".

A proposta temática refere que "para um Portugal com um desenvolvimento mais equilibrado, mais justo e mais coeso, o combate à centralização e às profundas assimetrias regionais passa por um processo adequado e contínuo de descentralização e de reorganização administrativa do Estado que cumpra o princípio constitucional da subsidiariedade, pelo qual o PSD, desde a sua fundação, sempre pugnou".

O PSD deve, defende-se no texto, "continuar, como sempre fez, a apontar soluções e a bater-se convictamente pela implementação de um efetivo processo de Descentralização de competências para os municípios e para as freguesias, tendo em vista o aprofundar da democracia".

Na moção temática, o PSD/Porto defende que a descentralização "sempre" pressupor "o princípio da autonomia do poder local, o acordo de cada uma das autarquias, "o abandono do modelo da descentralização universal de competências, uma transferência de competências diferenciada e ajustada ao custo real, garantido o principio da neutralidade orçamental".

Para o PSD/Porto, o processo de descentralização transformou-se numa "trapalhada legislativa", particularmente a questão da neutralidade orçamental e das verbas a transferir com as respetivas competências.

"O Governo falhou, o tempo e o prazo a que legalmente estava obrigado, para legislar sobre os diplomas setoriais, para que os órgãos autárquicos pudessem decidir assumir ou não, as transferências de competências (...) O Governo falhou, por não ter definido e esclarecido as contrapartidas financeiras necessárias e adequadas à assunção de competências pelas câmaras municipais", enumera o texto.

Para os autores da moção, "o Governo falhou, com a obrigação legal de inscrever os recursos financeiros, justos e suficientes, a atribuir às autarquias, no Fundo de Financiamento da Descentralização (FFD)".

A ANMP é também alvo das críticas da distrital social-democrata do Porto, a qual acusa de subserviência ao executivo: "O PSD discorda em absoluto com a forma marcadamente corporativa como a ANMP tem pautado a sua ação e a reverência com que o Conselho Diretivo de então tratou o Governo, colocando em causa a própria autonomia do Poder Local", lê-se.

Assim, é pedido à Comissão Politica Nacional, que vai ser eleita no congresso social-democrata, para "reclamar a suspensão imediata da transferência de competências nas áreas da Saúde e da Ação Social, até que estejam corrigidas todas as falhas e omissões na área da Educação, delegada, por decreto, no passado a 1 de abril".

Aquela distrital quer que seja realizada "uma convenção nacional de autarcas do PSD para discutir exclusivamente uma tomada de posição política do partido" sobre a descentralização para que "também possa servir para mandatar os autarcas do partido eleitos para os órgãos da ANMP".

Por fim, é pedido que seja promovida "uma iniciativa legislativa que obrigue o Governo a definir, previamente à delegação de competências, o envelope financeiro que a deve acompanhar".

O 40.º Congresso Nacional do PSD decorre no Porto de 01 a 03 de julho, no Super Bock Arena - Pavilhão Rosa Mota.

JCR// SF

Lusa/Fim

+ notícias: Política

ANMP pediu prorrogação de prazo para transferência de competências na ação social

A Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) solicitou a prorrogação da transferência obrigatória de competências na ação social de janeiro para abril, pedido que deverá ser aceite pelo Governo.

Votação na especialidade da eutanásia agendada para hoje após três adiamentos

Após três adiamentos, a votação na especialidade do texto final sobre a morte medicamente assistida está agendada para hoje no parlamento, tentando ultrapassar o veto político do Presidente da República.

Chega diz que proposta de referendo do PSD "é inconstitucional"

O Chega defendeu esta terça-feira que a proposta dos sociais-democratas de referendo à despenalização da eutanásia “é inconstitucional” e propôs um acordo com PS, PSD e Iniciativa Liberal para que a consulta se realize a partir do final do próximo ano.