Trabalhadores do Grupo Águas de Portugal em greve no dia 30 de junho

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 21 jun 2022 (Lusa) - Os trabalhadores do Grupo Águas de Portugal (AdP) vão fazer uma greve de 24 horas no próximo dia 30, com o objetivo de reivindicar aumentos salariais e um novo regime de carreiras, categorias profissionais e funções, foi hoje anunciado.

Num comunicado hoje divulgado, as estruturas sindicais afirmam que decidiram avançar para a greve "perante a posição adotada pela Comissão Negociadora da AdP que, não apenas continua a ignorar as propostas apresentadas pelo STAL [Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional] e Fiequimental [federação intersindical das indústrias], como recuou no processo negocial em curso, retirando o que estava a ser negociado, o que é inaceitável e revelador de má-fé negocial".

As propostas apresentadas, dizem as duas estruturas sindicais, "valorizam o esforço e o empenho dos trabalhadores, que prestam um serviço de excelência num Grupo que registou mais de 415 milhões de euros de lucros (entre 2018 e 2021), mas que insiste em praticar uma política de estagnação salarial".

A greve tem como objetivo "lutar pelo aumento dos salários em 90 euros; o aumento extraordinário do salário, fixando-se nos 804 euros a partir de julho; e um salário mínimo de 850 euros em 2023 no Grupo AdP".

Visa igualmente reivindicar o direito de contratação coletiva, um novo regime de carreiras, categorias profissionais e funções, "que valorize e reconheça a experiência profissional e o empenho dos trabalhadores", a "urgente" regulamentação e atribuição de um suplemento de penosidade, insalubridade e risco".

Entre os objetivos da greve está também a luta pela "estabilidade do emprego, pondo fim ao trabalho precário no grupo", bem como a aplicação do Acordo de Empresa da EPAL a todos os trabalhadores ao serviço desta empresa e um período de trabalho de sete horas diárias e 35 horas semanais no Grupo AdP.

CSJ // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Viticultores do Douro acreditam que a colheita deste ano vai ficar mais abaixo da anterior

A seca enfraqueceu a qualidade das uvas e com isso os viticultores do Douro acreditam que a colheita deste ano vai ficar mais abaixo do que a do ano passado. No entanto, em forma de combate, surgiu uma aplicação capaz de ajudar na produção de vinho e até na previsão das alterações do clima, com capacidade de mediação em tempo real e também futura.

Descida no preço dos combustíveis atinge valores antes da guerra

Esta segunda-feira ficou marcada pela descida no preço dos combustíveis, cuja redução atingiu valores antes da guerra. A gasolina teve uma descida de 10 cêntimos por litro e o gasóleo desceu cerca de nove cêntimos por litro.

Seca e guerra ameaçam explorações pecuárias. Medidas anunciadas pelo Governo não vão conseguir travar futura crise 

Atualmente a seca e a guerra estão a ameaçar diversas explorações pecuárias causando uma situação dramática. Os profissionais do setor e alguns agricultores disseram que as medidas anunciadas pelo Governo não vão conseguir travar uma futura crise nos produtos alimentares mais básicos.