Mota-Engil ganha contrato de 580 ME em estradas no México

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 21 jun 2022 (Lusa) - A Mota-Engil ganhou um contrato de 580 milhões de euros (12,4 mil milhões de pesos) para construção, operação e manutenção de estradas em Nayarit, no México, segundo comunicado à Comissão do Mercados dos Valores Mobiliários (CMVM).

O período de construção previsto é de dois anos e a manutenção e funcionamento de oito anos com um total de 10 anos, abrangendo 55 quilómetros (km), dos quais 26 de construção de 'greenfield', 18 de obras a concluir e 11 km de reabilitação inicial.

Segundo a construtora, este projeto "não tem qualquer risco de tráfego e tem cobertura contra a inflação, uma vez que os pagamentos de disponibilidade são atualizados" pela taxa de inflação real.

A Mota-Engil, no comunicado ao mercado, salienta que esta adjudicação "confirma" a sua capacidade na construção e operação de infraestruturas no México e reforça as concessões do grupo e a sua carteira de encomendas no continente americano.

VP // JNM

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Viticultores do Douro acreditam que a colheita deste ano vai ficar mais abaixo da anterior

A seca enfraqueceu a qualidade das uvas e com isso os viticultores do Douro acreditam que a colheita deste ano vai ficar mais abaixo do que a do ano passado. No entanto, em forma de combate, surgiu uma aplicação capaz de ajudar na produção de vinho e até na previsão das alterações do clima, com capacidade de mediação em tempo real e também futura.

Descida no preço dos combustíveis atinge valores antes da guerra

Esta segunda-feira ficou marcada pela descida no preço dos combustíveis, cuja redução atingiu valores antes da guerra. A gasolina teve uma descida de 10 cêntimos por litro e o gasóleo desceu cerca de nove cêntimos por litro.

Seca e guerra ameaçam explorações pecuárias. Medidas anunciadas pelo Governo não vão conseguir travar futura crise 

Atualmente a seca e a guerra estão a ameaçar diversas explorações pecuárias causando uma situação dramática. Os profissionais do setor e alguns agricultores disseram que as medidas anunciadas pelo Governo não vão conseguir travar uma futura crise nos produtos alimentares mais básicos.