Trabalhadores em 'lay-off' atingem em maio valor mais alto desde a pandemia

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 20 jun 2022 (Lusa) - O número de trabalhadores em 'lay-off' tradicional, previsto no Código do Trabalho, foi de 11.272 em maio, o valor mais alto desde o início da pandemia, segundo as estatísticas mensais divulgadas hoje pela Segurança Social.

"Em maio de 2022, as prestações de 'lay-off' (concessão normal, de acordo com o previsto no Código de Trabalho) abrangeram 11.272 pessoas, sendo o número mais elevado desde o início da pandemia", em março de 2020, lê-se na síntese estatística elaborada pelo Gabinete de Planeamento e Estratégia (GEP) do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Face ao mês anterior, as prestações de 'lay-off' processadas aumentaram 150,6%, e na variação homóloga o aumento foi de 70,5%.

De acordo com os dados, a maioria dos trabalhadores abrangidos (9.796) estava com redução de horário de trabalho, enquanto 1.476 estavam com suspensão temporária do contrato.

Estas prestações foram processadas para 109 entidades empregadoras em maio, menos sete que no mês anterior.

DF // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Viticultores do Douro acreditam que a colheita deste ano vai ficar mais abaixo da anterior

A seca enfraqueceu a qualidade das uvas e com isso os viticultores do Douro acreditam que a colheita deste ano vai ficar mais abaixo do que a do ano passado. No entanto, em forma de combate, surgiu uma aplicação capaz de ajudar na produção de vinho e até na previsão das alterações do clima, com capacidade de mediação em tempo real e também futura.

Descida no preço dos combustíveis atinge valores antes da guerra

Esta segunda-feira ficou marcada pela descida no preço dos combustíveis, cuja redução atingiu valores antes da guerra. A gasolina teve uma descida de 10 cêntimos por litro e o gasóleo desceu cerca de nove cêntimos por litro.

Seca e guerra ameaçam explorações pecuárias. Medidas anunciadas pelo Governo não vão conseguir travar futura crise 

Atualmente a seca e a guerra estão a ameaçar diversas explorações pecuárias causando uma situação dramática. Os profissionais do setor e alguns agricultores disseram que as medidas anunciadas pelo Governo não vão conseguir travar uma futura crise nos produtos alimentares mais básicos.