Prestações de desemprego caem 28% em maio face homólogo mas sobem 7,3% face a abril

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 20 jun 2022 (Lusa) - O número de beneficiários de prestações de desemprego caiu 28% em maio, face mesmo mês de 2021, mas aumentou 7,3% comparando com abril, para 199.242, segundo as estatísticas mensais da Segurança Social divulgadas hoje.

"Em maio de 2022, foram processadas 199.242 prestações de desemprego, revelando um acréscimo de 7,3% face ao mês anterior", lê-se na síntese estatística elaborada pelo Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

As prestações de desemprego estavam a cair desde janeiro, quando foi registado um total de 225.410 prestações.

Já em relação ao período homólogo, os dados de maio indicam uma redução de 77.423 beneficiários (menos 28%).

O sexo feminino representava 57,8% do total de beneficiários das prestações de desemprego e o sexo masculino 42,2%, indica a síntese do GEP.

O número de beneficiários do subsídio de desemprego foi de 130.473 em maio, "o que representa o número mais baixo desde o início da série", que começa em janeiro de 2006, pode ler-se no documento.

Em relação ao mês anterior, o número de subsídios de desemprego processados diminuiu em 2.324 (menos 1,8%) e, relativamente ao período homólogo, a redução foi de 65.270 (menos 33,3%).

Quanto ao subsídio social de desemprego inicial, os dados indicam que abrangeu 5.863 pessoas em maio, uma diminuição de 9% face a abril e de 38,1% comparando com o período homólogo.

Por outro lado, o subsídio social de desemprego subsequente foi atribuído a 26.617 beneficiários, um acréscimo de 9,5% (mais 2.304) e, em termos homólogos, o acréscimo foi de 10.026 (mais 60,4%).

Os dados revelam ainda que a prorrogação da concessão do subsídio de desemprego foi concedida a 10.804 pessoas, uma queda de 29,7% em relação a abril e de 69,8% face ao período homólogo.

Em maio, o valor médio das prestações de desemprego situou-se nos 540,50 euros, face aos 548,63 euros registados em abril.

DF // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Viticultores do Douro acreditam que a colheita deste ano vai ficar mais abaixo da anterior

A seca enfraqueceu a qualidade das uvas e com isso os viticultores do Douro acreditam que a colheita deste ano vai ficar mais abaixo do que a do ano passado. No entanto, em forma de combate, surgiu uma aplicação capaz de ajudar na produção de vinho e até na previsão das alterações do clima, com capacidade de mediação em tempo real e também futura.

Descida no preço dos combustíveis atinge valores antes da guerra

Esta segunda-feira ficou marcada pela descida no preço dos combustíveis, cuja redução atingiu valores antes da guerra. A gasolina teve uma descida de 10 cêntimos por litro e o gasóleo desceu cerca de nove cêntimos por litro.

Seca e guerra ameaçam explorações pecuárias. Medidas anunciadas pelo Governo não vão conseguir travar futura crise 

Atualmente a seca e a guerra estão a ameaçar diversas explorações pecuárias causando uma situação dramática. Os profissionais do setor e alguns agricultores disseram que as medidas anunciadas pelo Governo não vão conseguir travar uma futura crise nos produtos alimentares mais básicos.