Rússia admite que condições externas mudaram a economia para sempre

| Economia
Porto Canal com Lusa

A Rússia admitiu hoje que as condições externas da economia do país mudaram há muito tempo ou mesmo para sempre devido às sanções ocidentais, com impacto no seu sistema produtivo, logístico e tecnológico.

"As condições externas mudaram há muito tempo, senão para sempre", disse a presidente do Banco Central da Rússia (BCR), Elvira Nabiúlina, durante a conferência no Fórum Económico Internacional, em São Petersburgo.

Para a economista, é claro que a situação "é muito complexa, muito desafiadora" e, portanto, tem de se ser "flexível".

"Há que responder a essas mudanças de forma proativa", adiantou a responsável.

Nabiúlina afirmou ainda que a Rússia, cuja economia depende fortemente das exportações, deve repensar este modelo, porque, por agora, "uma parte importante da produção deve beneficiar o mercado interno".

Além disso, defendeu que a "maioria das restrições cambiais" impostas pelo BCR no início da invasão militar da Rússia à Ucrânia, a 24 de fevereiro, em resposta às sanções, deve ser retirada à medida que o sistema financeiro for estabilizando.

A presidente do BCR garantiu ainda que os depósitos em dólares ou outras moedas não serão confiscados na Rússia.

Por sua vez, Maxim Oreshkin, conselheiro do Presidente russo, Vladimir Putin, considerou que o que "está a acontecer agora no mundo não se passa no curto prazo, mas tem a ver com mudanças tectónicas na geopolítica".

"As coisas não serão mais como eram. Não há mas... E isso afeta todos os níveis de governo e quanto mais cedo o aceitarmos, melhor será para o país", salientou.

Para o ministro do Desenvolvimento Económico, Maxim Reshetnikov, "a situação mudou drasticamente".

"A economia mundial está a mudar drasticamente e, enquanto a economia está sob sanções este facto obrigou-nos a mudar as cadeias de fornecimento e de produção", advertiu.

Além disso, realçou que a "profundidade das mudanças afeta tudo", nomeadamente as pagamentos sociais, despesas orçamentais e o desenho dos programas de empréstimos (...)".

+ notícias: Economia

Prestação da casa. Aumentos podem atingir os 202 euros já em Outubro, avança a Deco

A prestação da casa paga pelos clientes bancários no crédito à habitação vai subir em outubro entre 89 e 202 euros nos contratos indexados à Euribor a três, seis e 12 meses, face às últimas revisões, segundo a Deco/Dinheiro&Direitos.

Acordo na UE sobre taxa aos lucros excessivos e poupança de eletricidade

Os ministros da Energia da União Europeia chegaram esta sexta-feira a acordo, em Bruxelas, sobre uma intervenção de emergência face à escalada dos preços na energia que contempla uma contribuição solidária sobre os lucros excecionais de empresas do setor energético.

Taxa de desemprego recua em agosto na zona euro e na UE

A taxa de desemprego recuou, em agosto, para os 6,6% na zona euro e os 6,0% na União Europeia (UE), face ao mesmo mês de 2021, divulga esta sexta-feira o Eurostat.