Ministro da Educação garante que irão continuar com estudos na educação para avaliarem efeitos da pandemia na saúde mental. Objetivo é voltarem "a padrões de distribuição normal"

| Política
Porto Canal

O Ministro da Educação, João Costa, garantiu na manhã desta terça-feira em declarações à comunicação social, à margem do 2º Encontro Nacional da Autonomia e Flexibilidade Curricular, no Europarque de Santa Maria da Feira, que irão continuar a fazer estudos "com uma periodicidade de dois em dois anos" para avaliarem a evolução e condições da educação em Portugal, tendo em conta o estudo publicado há alguns dias que avaliou o mesmo tema, revelando que um terço dos alunos e metade dos professores acabam por sofrer probelmas psicológicos causados pela pandemia.

Além disso, João Costa explicou que esta continuidade dos estudos tem como objeitvo voltar "a padrões de distribuição normal", e é isso o trabalho que pretendem fazer nos próximos anos, frisou o Ministro da Educação.

 

+ notícias: Política

Grupo dos 50 responsabiliza a ministra da Saúde e gestores pela crise nas Urgências

O Grupo dos 50 responsabiliza a ministra da Saúde e gestores pela crise nas Urgências. Este grupo, do qual fazem parte personalidades das mais variadas áreas da sociedade civil, critica a realidade que tem marcado sobretudo os Serviços de Urgência de Ginecologia-Obstetrícia e apela ao Governo para que avance rapidamente com medidas estruturais que garantam a continuidade do Serviço Nacional de Saúde.

Montenegro propõe programa de emergência social no valor de mil milhões de euros

O presidente do PSD anunciou, domingo, que o partido entregou no parlamento uma proposta de programa de emergência social para o período de setembro a dezembro, no valor global de mil milhões de euros de ajuda aos mais necessitados.

Cotrim de Figueiredo acusa PS de transformar Portugal em país "medíocre e incapaz"

O presidente da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo, acusou hoje o PS de estar a transformar Portugal num “país medíocre e incapaz”, com uma visão da maioria absoluta “autoritária e prepotente”.