Ministro da Educação garante que irão continuar com estudos na educação para avaliarem efeitos da pandemia na saúde mental. Objetivo é voltarem "a padrões de distribuição normal"

| Política
Porto Canal

O Ministro da Educação, João Costa, garantiu na manhã desta terça-feira em declarações à comunicação social, à margem do 2º Encontro Nacional da Autonomia e Flexibilidade Curricular, no Europarque de Santa Maria da Feira, que irão continuar a fazer estudos "com uma periodicidade de dois em dois anos" para avaliarem a evolução e condições da educação em Portugal, tendo em conta o estudo publicado há alguns dias que avaliou o mesmo tema, revelando que um terço dos alunos e metade dos professores acabam por sofrer probelmas psicológicos causados pela pandemia.

Além disso, João Costa explicou que esta continuidade dos estudos tem como objeitvo voltar "a padrões de distribuição normal", e é isso o trabalho que pretendem fazer nos próximos anos, frisou o Ministro da Educação.

 

+ notícias: Política

Chega justifica moção com "desorganização e desorientação do Governo"

O presidente do Chega, André Ventura, justificou hoje a moção de censura apresentada pelo seu partido com a "desorganização e desorientação" do Governo e recusou que o tenha feito "por qualquer motivo de agenda política".

António Costa considera que moção do Chega faz parte da competição dentro da oposição

O primeiro-ministro considerou hoje que a moção de censura do Chega ao Governo representa um exercício de oportunidade na competição da oposição e acusou este partido de "vociferar muito" e nada propor para o país.

PS não quer "confrontação" com PSD relativamente ao referendo à Regionalização em 2024

Depois de Luís Montenegro ter assumido no final do 40º. congresso do PSD uma posição quanto há não urgência de realizar o referendo à regionalização em 2024, não houve por parte do PS uma contestação. Tal como noticia o jornal 'Observador', o partido socialista de António Costa não quer confrontar o recente PSD de Luís Montenegro.