Governo vai receber combustível da Polónia e apela à Europa para ajudar

| Mundo
Porto Canal com Lusa

A ministra do Desenvolvimento Económico da Ucrânia, Yulia Swyrydenko, anunciou hoje que a Polónia vai fornecer ao seu país 25.000 toneladas de combustível, referindo que o Governo está a lutar para equilibrar o mercado e retomar as exportações. 

"A ajuda da Polónia vai contribuir para estabilizar significativamente a situação no mercado de combustíveis", disse a ministra, citada pela agência de notícias polaca PAP, depois de se ter reunido, em Kiev, com a sua homóloga do país vizinho, Anna Moskva.

Swyrydenko acrescentou que, antes do início da invasão, em 24 de fevereiro, a refinaria de Kremenchuk (centro do país) abastecia grande parte da procura interna de combustível, mas a infraestrutura foi destruída num ataque do exército russo.

Por isso, o Governo está a tentar organizar-se para aliviar a escassez de combustível, disse, admitindo, no entanto, que enfrenta muitas dificuldades, já que muitos dos caminhos ferroviários e rodoviários estão danificados e os portos ucranianos estão bloqueados.

No início deste mês, as forças russas também atacaram a segunda maior refinaria da Ucrânia, localizada na região de Lugansk.

A falta de combustível está a provocar filas para abastecer os carros, já porque a maioria dos postos de gasolina do país tem o combustível racionado a 10 litros por cliente.

Em entrevista à agência de notícias espanhola Efe, o ministro das Infraestruturas da Ucrânia, Olexandr Kubrakov, admitiu esperar apoio dos países europeus relativamente ao abastecimento de gasóleo e gasolina ao seu país e garantiu que o Governo está a reconstruir as infraestruturas danificadas para facilitar a distribuição e retomar as exportações agora bloqueadas.

Kubrakov reconheceu que todo o mercado europeu está a atravessar uma situação difícil, já que há a procura por combustíveis é alta e alguns países estão a tentar fazer algumas reservas para enfrentar o potencial embargo russo, mas sublinhou que um país em guerra tem necessidades e adiantou estar em conversações com os governos da Roménia e da Polónia para que permitam a entrada de navios carregados de combustível na Ucrânia.

A Ucrânia precisa operar nesses portos porque os seus portos no Mar Negro estão todos bloqueados.

"A situação é muito difícil porque quase 80% das nossas exportações eram feitas através do Mar Negro", lamentou o ministro.

Além disso, acrescentou Kubrakov, o Governo está também a tentar reorientar os canais logísticos para oeste (em direção à fronteira com a Polónia) por via rodoviária e de comboio.

"Estamos a considerar todas as opções que possam ajudar", alegou o ministro, adiantando ser "difícil fazer tudo em poucas semanas".

De acordo com o ministro, esta é, no entanto, a prioridade do Governo, à frente da recuperação e desenvolvimento dos aeroportos.

"Foram todos danificados, alguns estão totalmente destruídos", explicou Kubrakov, que reconhece que se está a decidir qual o aeroporto que terá de passar a funcionar caso o espaço aéreo seja reaberto.

"Mas não é nossa prioridade, a nossa prioridade é exportar", sublinhou.

PMC // PDF

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Julho foi dos meses mais quentes jamais registados no mundo

O mês passado foi um dos julhos mais quentes jamais registados no mundo, indicou, esta terça-feira, a Organização Meteorológica Mundial (OMM), uma agência especializada da Organização das Nações Unidas (ONU) com sede em Genebra.

China detecta 35 casos humanos de um novo vírus de origem animal

Um estudo científico revelou a deteção em duas províncias da China de 35 infeções em seres humanos de um novo vírus de origem animal, da família dos Henipavírus, informou esta terça-feira a imprensa estatal do país asiático.

Fornecimento de petróleo russo via Ucrânia foi interrompido

As entregas de petróleo russo a três países europeus através da Ucrânia foram interrompidas após a recusa de uma transação bancária ligada às sanções contra Moscovo, anunciou hoje a empresa russa responsável pelo transporte.