Medina alerta para repercussões nos custos de financiamento com subida das taxas de juro

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 13 mai 2022 (Lusa) -- O ministro das Finanças, Fernando Medina, reafirmou hoje que um agravamento das taxas diretoras do Banco Central Europeu (BCE) terá repercussões nos custos de financiamento do Estado, assim como nos empréstimos das famílias.

"Um agravamento das taxas diretoras terá, a prazo, repercussões nos custos de financiamento da República à medida que formos refinanciando nova dívida. Mas não só -- refletir-se-á, como temos sublinhado, também no esforço pedido às famílias e às empresas para suportarem os seus próprios empréstimos", afirmou Fernando Medina, durante uma audição na Comissão de Orçamento e Finanças (COF), no âmbito da discussão do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), no parlamento.

Perante os deputados, Medina afirmou que as perspetivas de subida de juros na zona euro são cada vez mais evidentes, recordando que esta semana a presidente do BCE, Christine Lagarde, sinalizou de novo a intenção de que tal aconteça no início do verão.

O governante defendeu, assim, que, apesar dos "bons resultados" da economia portuguesa", a conjuntura externa revela-se exigente e complexa.

"As tensões geopolíticas agravaram as pressões inflacionistas que já existiam. Ainda que todas as instituições internacionais considerem que estas pressões são transitórias, sabemos como o aumento de preços já pesa sobre os orçamentos das famílias e das empresas. E não sabemos, com certeza e rigor, quando regressaremos à normalidade", argumentou.

Os membros do BCE têm vindo a sinalizar publicamente que a subida das taxas de juro poderá acontecer ainda este verão.

Também hoje o governador do Banco de Portugal (BdP), Mário Centeno, afirmou que, no caso na área do euro, o fim das compras líquidas de ativos deverá ocorrer durante o terceiro trimestre deste ano e "algum tempo depois" o BCE deverá aumentar as taxas de juro".

"Neste momento antecipa-se que tudo isto possa acontecer nas primeiras semanas do terceiro trimestre, mas esse não é o debate mais importante agora. O foco deve ser no processo, na sua duração, na sua magnitude", afirmou Mário Centeno, durante uma intervenção no "Fórum Banca", organizado pela PwC e pelo Jornal Económico, em Lisboa.

AAT // CSJ

Lusa/Fim

+ notícias: Política

PPD, PSD e Regionalização. Uma relação complicada em oito atos

Da "democracia regional", expressão cunhada por Sá Carneiro, à feroz oposição à Regionalização, assumida por figuras como Cavaco Silva - já foram muitas as posições oficiais do Partido Social Democrata (ex-PPD) desde a sua fundação em relação ao tema. No 40.º Congresso, no Porto, abriu-se um novo capítulo: depois de Rui Rio ter assumido o compromisso de apoiar a realização de um Referendo em 2024, o novo líder, Luís Montenegro, tornou pública a sua oposição. A relação do PPD/PSD com a Regionalização é... complicada.

 

Nova vida no PSD. Como ficam as contas na Distrital do Porto?

A Distrital do Porto do PSD poderá mudar de liderança. O Porto Canal sabe que o presidente da Câmara da Trofa, Sérgio Humberto, está na corrida e poderá contar com o apoio de Alberto Machado, atual líder. As eleições estão previstas para a segunda quinzena de setembro.

Do programa de emergência social, à saúde e à redução de impostos: as sete prioridades de Luís Montenegro para o país

No discurso de encerramento do congresso do PSD, o novo líder Luís Montenegro elencou sete temas que serão prioritários para o seu tempo à frente do partido, sendo que a maioria já constava da moção estratégica que fez aprovar pelos delegados: do plano de emergência social ao combate “ao caos” na saúde e da redução da carga fiscal ao referendo à regionalização.