Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Ucrânia: Rússia acusada de propaganda por repetir acusações sobre armas biológicas

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Nações Unidas, 13 mai 2022 (Lusa) - A Rússia voltou hoje a ser acusada de usar o seu assento no Conselho de Segurança das Nações Unidas para difundir propaganda, após acusar pela terceira vez os Estados Unidos de apoiarem o desenvolvimento de armas biológicas na Ucrânia.

Tal como fez em outras duas ocasiões desde a invasão russa da Ucrânia, o embaixador da Rússia na ONU, Vasily Nebenzya, voltou a pedir uma reunião para discutir a alegada existência de "laboratórios biológicos" na Ucrânia, alegando ter "provas documentais extremamente perturbadoras de que o Departamento de Defesa norte-americano está diretamente envolvido na implementação de projetos biológicos perigosos" em solo ucraniano.

O embaixador frisou que se trata de uma "real ameaça à região e ao mundo", proclamando que os Estados Unidos, juntamente com a Ucrânia, "investigaram a disseminação de doenças perigosas transmitidas pela água" em vários rios ucranianos.

O responsável por Assuntos de Desarmamento da ONU, Thomas Markram, salientou que as Nações Unidas continuam a "não ter conhecimento de qualquer programa de armas biológicas" no país.

Markram observou ainda que, "atualmente, as Nações Unidas não têm o mandato, nem a capacidade técnica ou operacional para investigar essas informações".

Ainda na reunião de hoje, e tal como aconteceu nas outras duas sessões sobre o mesmo tema, vários diplomatas acusaram a Rússia de estar a repetir-se e de divulgar teorias da conspiração.

"Todos nós confiamos nos relatórios da ONU sobre todas as questões que discutimos aqui, ouvimos atentamente as informações fornecidas e confiamos neles. (...) Mas estamos aqui novamente, a ver serem apresentadas as mesmas alegações não verificadas, não corroboradas, não fundamentadas e não factuais para um programa biológico inexistente na Ucrânia", disse o embaixador da Albânia, Ferit Hoxha.

"As organizações que investigam já informaram que não há evidências de armas biológicas na Ucrânia. (...) Trata-se de propaganda para tirar o foco do que realmente acontece na Ucrânia", acrescentou Hoxha.

De acordo com o diplomata, "é difícil não concluir" que se trata de uma "tentativa persistente de espalhar uma narrativa falsa", "usar o Conselho de Segurança para fins de propaganda" e "desviar a atenção da terrível realidade dos crimes cometidos na Ucrânia".

"Isso deve parar. Afeta a credibilidade e a relevância do Conselho", frisou.

A mesma posição foi defendida pelos embaixadores da França e dos Estados Unidos junto da ONU, que acusaram Vasily Nebenzya de "convocar reuniões absurdas, com acusações categoricamente falsas".

Já o embaixador do Gabão, Michel Xavier Biang, classificou como "assustador" o facto de alguns países estarem a lançar acusações de armas biológicas entre si, colocando "medo na humanidade".

"A humanidade não precisa de ficar ainda mais receosa. (...) É um ciclo vicioso onde é difícil distinguir entre propaganda e informação verdadeira. É preciso uma investigação rigorosa e independente às acusações feitas aqui", disse Biang.

Também o Brasil afirmou que informações sobre armas biológicas devem ser levadas a sério e investigada por órgãos independentes e isentos.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de três mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou a fuga de mais de 13 milhões de pessoas, das quais mais de 5,5 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

MYMM // PDF

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos. Veja as imagens aqui

Um militar ucraniano do regimento Azov colocou à disposição do público uma seleção de fotografias tiradas no interior da fábrica de aço Azovstal, último reduto da resistência ucraniana na cidade portuária de Mariupol.

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras