PAN propõe grupo de trabalho na AR para encontrar soluções ao chumbo da lei dos metadados

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 13 mai 2022 (Lusa) -- O PAN propôs a criação de um grupo de trabalho no parlamento para "avaliar as consequências" do acórdão do Tribunal Constitucional sobre a lei dos metadados e ponderar "soluções a adotar para suprir as inconstitucionalidades apontadas".

No requerimento enviado ao presidente da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, a deputada única propõe que no âmbito desta comissão "seja criado um grupo de trabalho, que, recolhendo informação relevante e realizando audições de um leque alargado de entidades e personalidades, proceda à avaliação das consequências do acórdão n.º 268/2022, de 19 de abril, e à ponderação das soluções a adotar para suprir as inconstitucionalidades apontadas à lei n.º 32/2008, de 17 de julho, e impedir ou mitigar tais consequências".

Em comunicado, o partido defende a necessidade de se "fazer uma reflexão alargada e aprofundada o impacto da decisão do Tribunal Constitucional de chumbar a chamada lei dos metadados".

E refere que, "ao ter efeitos retroativos, esta decisão do Tribunal Constitucional [TC] poderá pôr em causa milhares de processos judiciais, no âmbito designadamente de crimes como os de terrorismo, raptos, crime organizado, tráfico de droga e armas, burla, corrupção e branqueamento de capitais".

Citada na nota, a porta-voz e deputada única do Pessoas-Animais-Natureza alerta que podem ser postos "em causa os direitos fundamentais das vítimas, designadamente o direito à tutela jurisdicional efetiva" e que "esta decisão poderá ainda gerar na sociedade civil uma ideia de impunidade da criminalidade grave e de descrédito e complacência da justiça e da Assembleia da República com esta criminalidade, que importa travar".

No requerimento, Inês Sousa Real defende que "a dimensão das consequências deste problema exige que o parlamento, antes de avançar para qualquer solução mais concreta (seja de alteração da lei n.º 32/2008, de 17 de julho, seja de revisão constitucional), procure prudentemente, com serenidade e com rigor técnico-jurídico avaliar todas as consequências decorrentes do acórdão n.º 268/2022, de 19 de abril".

Na sua ótica, este grupo de trabalho "é a forma mais adequada de garantir o maior consenso possível sobre as eventuais futuras soluções que venham a ser adotadas para suprir estas graves consequências".

O TC anunciou em 27 de abril ter declarado inconstitucionais as normas da chamada "lei dos metadados" que determinam a conservação dos dados de tráfego e localização das comunicações pelo período de um ano, visando a sua eventual utilização na investigação criminal.

Num acórdão proferido no dia 19, o TC entendeu que guardar os dados de tráfego e localização de todas as pessoas, de forma generalizada, "restringe de modo desproporcionado os direitos à reserva da intimidade da vida privada e à autodeterminação informativa".

O possível impacto desta decisão nos processos com recurso a metadados na investigação criminal desde 2008 está a ser questionado por diferentes agentes do setor judiciário.

A procuradora-geral da República, Lucília Gago, defendeu na segunda-feira que a decisão do TC sobre a lei dos metadados é nula, por entender haver "contradição entre a fundamentação e o juízo de inconstitucionalidade".

FM (ACL)// SF

Lusa/Fim

+ notícias: Política

PPD, PSD e Regionalização. Uma relação complicada em oito atos

Da "democracia regional", expressão cunhada por Sá Carneiro, à feroz oposição à Regionalização, assumida por figuras como Cavaco Silva - já foram muitas as posições oficiais do Partido Social Democrata (ex-PPD) desde a sua fundação em relação ao tema. No 40.º Congresso, no Porto, abriu-se um novo capítulo: depois de Rui Rio ter assumido o compromisso de apoiar a realização de um Referendo em 2024, o novo líder, Luís Montenegro, tornou pública a sua oposição. A relação do PPD/PSD com a Regionalização é... complicada.

 

Nova vida no PSD. Como ficam as contas na Distrital do Porto?

A Distrital do Porto do PSD poderá mudar de liderança. O Porto Canal sabe que o presidente da Câmara da Trofa, Sérgio Humberto, está na corrida e poderá contar com o apoio de Alberto Machado, atual líder. As eleições estão previstas para a segunda quinzena de setembro.

Do programa de emergência social, à saúde e à redução de impostos: as sete prioridades de Luís Montenegro para o país

No discurso de encerramento do congresso do PSD, o novo líder Luís Montenegro elencou sete temas que serão prioritários para o seu tempo à frente do partido, sendo que a maioria já constava da moção estratégica que fez aprovar pelos delegados: do plano de emergência social ao combate “ao caos” na saúde e da redução da carga fiscal ao referendo à regionalização.