Santa Maria da Feira recusa assumir transferência de competências. O autarca justifica que ainda "há muito trabalho administrativo a fazer"

| Política
Porto Canal

O município de Santa Maria da Feira sempre recusou assumir a transferência de competências na área da saúde, da educação e da ação social, no entanto até um de abril os municípios serão obrigados a assumir esta transferência. O Presidente da Câmara de Santa Maria da Feira, Emídio Sousa disse ao Porto Canal na manhã desta terça-feira que não vai ser possível assumir essa transferência de competências a partir do dia um de abril porque "há de facto todo um trabalho administrativo a fazer que ainda não foi feito". O autarca refere que principlamente no setor da saúde "ainda há muito para trabalhar, como por exemplo o tipo de contrato dos funcionários".

Além disso, Emído Sousa contou que "ainda existe a dificuldade de descentralizar a correspondente verba orçamental" necessária para a descentralização de competências adequada.

+ notícias: Política

Grupo dos 50 responsabiliza a ministra da Saúde e gestores pela crise nas Urgências

O Grupo dos 50 responsabiliza a ministra da Saúde e gestores pela crise nas Urgências. Este grupo, do qual fazem parte personalidades das mais variadas áreas da sociedade civil, critica a realidade que tem marcado sobretudo os Serviços de Urgência de Ginecologia-Obstetrícia e apela ao Governo para que avance rapidamente com medidas estruturais que garantam a continuidade do Serviço Nacional de Saúde.

Montenegro propõe programa de emergência social no valor de mil milhões de euros

O presidente do PSD anunciou, domingo, que o partido entregou no parlamento uma proposta de programa de emergência social para o período de setembro a dezembro, no valor global de mil milhões de euros de ajuda aos mais necessitados.

Cotrim de Figueiredo acusa PS de transformar Portugal em país "medíocre e incapaz"

O presidente da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo, acusou hoje o PS de estar a transformar Portugal num “país medíocre e incapaz”, com uma visão da maioria absoluta “autoritária e prepotente”.