Vila do Conde cria gabinete para operacionalizar o acolhimento de refugiados

| Norte
Porto Canal

A autarquia de Vila do Conde criou um gabinete para ajudar na operacionalização do acolhimento de refugiados vítimas do conflito na Ucrânia. Em Vila do Conde já se encontram 60 famílias e entre esta quinta-feira e o dia de amanhã são esperadas mais famílias. Em declarações ao Porto Canal, uma ucraniana que está em Vila do Conde há quatro dias agradeceu tudo o que foi feito por ela e salientou que este "tipo de programas são muito importantes". Enfermeira de profissão na Ucrânia contou ao Porto Canal que pretende melhorar as suas qualificações em Portugal e que quer viver cá.

"Toda a integração tem sido feita com enorme vontade de solidariedade", disse o Presidente da Câmara Municipal de Vila do Conde, Vitor Costa. 

O autarca explicou que a "grande preocupação foi ter um programa integrado, seja com alojamento, na procura de emprego e na integração das crianças nas escolas" e adiantou que "durante a próxima semana também terão um programa de integração na língua portuguesa".

+ notícias: Norte

Populares e ativistas marcaram presença num protesto contra a exploração de lítio na mina do Barroso

Na manhã desta terça-feira, dezenas de populares e ativistas marcaram presença numa manifestação contra a exploração de lítio na mina do Barroso. A arruada simbólica serviu de alerta para os impactos ambientais e para a escassez de água de que a região enfrenta e que a extração mineira pode agravar.

Trabalhadores da maior produtora de cogumelos frescos em greve por melhores salários e condições de trabalho

Os trabalhadores das unidades de produção da maior produtora de cogumelos frescos do país estiveram em greve ao longo desta terça-feira. Ao que apurou o Porto Canal, os trabalhadores exigem um aumento dos salários, do subsídio de alimentação e ainda melhores condições de trabalho.

Uso "desenfreado" de trotinetes aumentou "medo de usar o espaço público" em invisuais

O uso "desenfreado e sem civismo" de trotinetes aumentou o medo de usar o espaço público nas pessoas invisuais, agudizando o sentimento de isolamento de quem não vê, denunciou esta terça-feira a Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal.