Lufthansa reduz prejuízo para 2.191 milhões de euros em 2021

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Frankfurt, 03 mar 2022 (Lusa) -- A Lufthansa revelou hoje que teve um prejuízo de 2.191 milhões de euros em 2021, menos 67% que no ano anterior, em resultado dos voos no verão, do recorde no transporte de carga e da redução de custos.

O grupo de aviação, que foi resgatado pelo Estado alemão, disse em comunicado que o Ebit (lucros antes de impostos e juros) recuou 69% para 2.316 milhões de euros, apesar da pandemia de covid-19 e das novas restrições às viagens.

O primeiro trimestre deste ano continua a "ser difícil", por causa da variante do vírus, a Ómicron, mas a Lufthansa espera uma "melhoria significativa" nos próximos trimestres, apesar de haver "muita incerteza" devido à guerra na Ucrânia, salienta o grupo empresarial em comunicado.

As receitas, por seu turno, que caíram no primeiro ano com a pandemia de covid-19, melhoraram no ano passado para 16.811 milhões de euros, apresentando um crescimento homólogo de 24%.

Quanto às taxas de ocupação dos aviões nas rotas de curto e médio curso, estas quase alcançaram o nível do verão de 2019, segundo a companhia.

O presidente executivo da Lufthansa, Carsten Spohr, durante a apresentação dos resultados financeiros disse, no entanto, que 2021 foi "um ano difícil" para a companhia e que este ano "começou com acontecimentos que o preocupam".

"As nossas companhias aéreas ligam pessoas, culturas e economias. Defendemos a compreensão a nível internacional e a paz na Europa e no mundo", salientou Spohr.

O aumento da procura por viagens de lazer e negócios foi "notável em 2021", realçou o gestor, adiantando que essa tendência deverá intensificar-se este ano.

O grupo de aviação Lufthansa é formado pela companhia aérea alemã Lufthansa, a Austrian Austrian Airlines, a Swiss Swiss, Brussels Airlines e a Eurowings.

JS // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

É Oficial. Ucrânia avança com pedido de adesão à NATO

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, anunciou esta sexta-feira que o país avançou oficialmente com um pedido de adesão à NATO. Esta informação foi avançada pelo mesmo no Telegram.

“Tornam-se nossos cidadãos para sempre” - Putin já assinou os decretos de anexação

Vladimir Putin já assinou, esta sexta-feira, os decretos de a anexação de Donetsk, Lugansk, Zaporíjia e Kherson à Rússia. O líder russo afirmou no seu discurso que os habitantes destas regiões são agora russo “para sempre”., num discurso em Moscovo, que "esta é a escolha de milhões de pessoas", acrescentando que é "definitiva".

Rússia formaliza anexação de quatro regiões ucranianas

A Rússia formaliza esta sexta-feira numa cerimónia no Kremlin, em Moscovo, a anexação das quatro regiões ucranianas. No anúncio divulgado na passada quinta-feira, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, adiantou que o Presidente russo, Vladimir Putin, participará numa cerimónia com um discurso.