Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Balanço da tempestade tropical Ana sobe para 18 mortos em Moçambique

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Maputo, 27 jan 2022 (Lusa) - O balanço da tempestade Ana no centro e norte de Moçambique subiu hoje para 18 mortos e há mais de dez mil casas danificadas, além de dezenas de hospitais, escolas e infraestruturas elétricas, segundo as autoridades do país.

O Governo moçambicano e as Nações Unidas estimam que mais de 500 mil pessoas tenham sido afetadas pelo mau tempo em várias províncias moçambicanas, noticia hoje a AFP.

Segundo o instituto de meteorologia do país, as chuvas vão continuar nos próximos dias e uma outra tempestade é esperada até ao fim da semana.

Moçambique enfrenta atualmente a época ciclónica sazonal e a tempestade Ana é a primeira a atingir o território. Quatro a seis ciclones estão previstos para a região até ao final de março, quando termina a época das chuvas.

Entre os três países afetados pela tempestade Ana - Moçambique, Maláui e Madagáscar - o número de mortos subiu para 70, segundo os últimos balanços das autoridades, citados pela agência AFP.

Os governos e os serviços de socorros dos três países ainda estão a avaliar a amplitude dos danos causados pelas fortes chuvas que começaram na semana passada na costa do oceano Índico e no canal de Moçambique, braço do oceano Índico que fica entre a costa moçambicana e Madagáscar.

Pelo menos 41 pessoas morreram em Madagáscar e 11 no Maláui, além das 18 vítimas mortais em Moçambique.

A tempestade também atingiu o Zimbabué, mas não foi registada qualquer morte.

Dezenas de milhares de casas foram danificadas, algumas das quais ruíram sob o peso dos litros de água que caíram em poucos dias.

Pontes foram arrastadas pela força das águas, levando consigo viaturas e os seus ocupantes.

As águas levaram também gado e inundaram os campos, meio de subsistência para muitos.

Em Madagáscar, 110.000 pessoas foram obrigadas a deixar as suas casas. Na capital, Antananarivo, ginásios e escolas foram transformados em abrigos de emergência.

No vizinho Maláui, o Governo declarou o estado de catástrofe natural. Uma grande parte do país ainda está às escuras desde o início da semana, quando as inundações súbitas obrigaram as elétricas a parar os geradores.

O fornecimento de energia tem vindo a ser progressivamente reposto, mas muitas estruturas elétricas foram destruídas.

Moçambique foi várias vezes nos últimos anos atingido por tempestades e ciclones violentos que causaram mortes, graves danos materiais e forçaram a deslocação de grande número de pessoas.

FPA // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos. Veja as imagens aqui

Um militar ucraniano do regimento Azov colocou à disposição do público uma seleção de fotografias tiradas no interior da fábrica de aço Azovstal, último reduto da resistência ucraniana na cidade portuária de Mariupol.

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras