Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Renault, Nissan e Mitsubishi investem 23.000 ME na produção de automóveis elétricos

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Paris, 27 jan 2022 (Lusa) - A parceria formada pela Renault, Nissan e Mitsubishi vai investir 23.000 milhões de euros nos próximos cinco anos no desenvolvimento e produção de novos automóveis elétricos, pretendendo lançar 35 novos modelos até 2030, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a Renault-Nissan-Mitsubishi Motors Alliance aponta também o objetivo de reforçar a utilização de plataformas comuns entre os três fabricantes, que deverão abranger 80% do total dos seus modelos em 2026, contra os atuais 60%.

"Isto permitirá que cada empresa se concentre mais nas necessidades dos seus clientes, nos seus modelos emblemáticos e nos seus principais mercados, ao mesmo tempo que estende as inovações a toda a Aliança com menores custos", avançam os três fabricantes.

Quanto aos novos modelos elétricos, 90% deles serão produzidos em cinco plataformas comuns da Aliança em todo o mundo.

A mais recente dessas plataformas -- a CMF-BEV - deve ser lançada em 2024 no ElectriCity, o novo polo industrial elétrico da fabricante francesa no norte de França.

Esta plataforma equipará 250.000 veículos por ano sob as marcas Renault, Alpine e Nissan. Para além do novo R5 elétrico da Renault, daqui sairá também um novo veículo elétrico compacto do grupo japonês para substituir o Nissan Micra, que era produzido na fábrica da Renault em Flins (Yvelines).

Os três fabricantes automóveis anunciaram também que vão acelerar a produção de baterias para atingir uma capacidade de produção global de 220 GWh (Gigawatt-hora) até 2030, com uma estratégia industrial comum que permitirá reduzir o custo dos acumuladores em 65% até 2028.

Esses são os primeiros objetivos quantificados da Aliança desde a mudança de líderes na Renault e na Nissan, após a saída de Carlos Ghosn, no final de 2018, que causou uma grave crise de confiança entre os dois grupos.

Há dois anos, a Aliança foi reconvertida, adotando um novo esquema de colaboração em que existe um fabricante "de referência" para cada grande área geográfica e para cada grande domínio tecnológico, a fim de explorar melhor os pontos fortes de cada um.

Segundo o comunicado hoje divulgado, este sistema operacional vai ser ainda mais aprofundado: a Nissan liderará o desenvolvimento da sua tecnologia de baterias elétricas sólidas "para benefício de todos os membros da Aliança", enquanto a Renault será "líder no desenvolvimento de uma arquitetura elétrica e eletrónica comum".

PD // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos. Veja as imagens aqui

Um militar ucraniano do regimento Azov colocou à disposição do público uma seleção de fotografias tiradas no interior da fábrica de aço Azovstal, último reduto da resistência ucraniana na cidade portuária de Mariupol.

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras