Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Powell mantém que economia já não precisa do apoio contínuo à política monetária

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Washington, 26 jan 2022 (Lusa) - O presidente da Reserva Federal norte-americana (Fed) disse hoje que os dados do mercado de trabalho e a inflação bem acima da meta de 2% revelam que a economia já não precisa do apoio contínuo à política monetária.

"A economia já não precisa mais de contínuos altos níveis de apoio à política monetária. É por isso que estamos a eliminar gradualmente as nossas compras de ativos e, por isso, esperamos que em breve seja apropriado aumentar o intervalo para a taxa de fundos federais", frisou Jerome Powell, em conferência de imprensa, após o fim da reunião de dois dias do Comité Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês).

O banco central manteve hoje as taxas de juro entre 0% e 0,25%, mas antecipou que com "a inflação bem acima de 2% e um mercado de trabalho forte" espera que "em breve seja apropriado" subir o intervalo da taxa de juros federais.

A Fed anunciou ainda que irá continuar a reduzir o ritmo mensal das compras líquidas de ativos, com o objetivo de terminarem no início de março.

Pôr fim às injeções de liquidez, que apoiaram a economia durante a crise causada pela pandemia, é um pré-requisito para poder subir as taxas de juro.

Jerome Powell recordou o "notável progresso" no mercado de trabalho e a inflação acima da meta do banco central para justificar a decisão, ainda que tenha sublinhado que as perspetivas económicas continuam envoltas em incerteza.

O presidente da Fed reconheceu que a economia evolui de forma inesperada, pelo que o banco central deverá ser ágil para "responder a toda a variedade de resultados plausíveis", garantindo que o Comité irá continuar atento aos riscos, incluindo o de que "a inflação elevada seja mais persistente do que o esperado" e que o banco central estará preparado "para responder conforme o apropriado para atingir" os objetivos.

O banco central baixou as taxas de juro, colocando-as próximo de zero, em março de 2020, no início da pandemia, para estimular o consumo, motor da economia norte-americana, mas a procura tem sido muito forte, numa altura em que a oferta não a acompanha, devido às dificuldades nas cadeias de abastecimento.

Como consequência, os preços sobem e a inflação atingiu 7% em 2021, o nível mais elevado em quase 40 anos.

A próxima reunião do FOMC será em março, altura em que também irá divulgar a atualização das projeções económicas.

AAT (EO) // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Rússia deixa de fornecer eletricidade à Finlândia a partir de sábado

Helsínquia, 13 mai 2022 (Lusa) -- A Rússia vai suspender as entregas de eletricidade para a Finlândia a partir de sábado, devido a contas não pagas, anunciou hoje o fornecedor RAO Nordic Oy, que detém a empresa russa InterRAO.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.