Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Lula da Silva diz que se chegar ao poder no Brasil vai governar com jovens e descarta Dilma Rousseff

| Mundo
Porto Canal com Lusa

São Paulo, 26 jan 2022 (Lusa) -- O ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje que se voltar ao poder no Brasil apostará nos jovens e descartou qualquer participação da ex-Presidente Dilma Rousseff num futuro Governo.

Lula da Silva ainda não confirmou que será novamente candidato à Presidência, mas há meses lidera todas as sondagens sobre intenções de voto com apoio de cerca de 45% dos brasileiros.

Numa entrevista à rádio CBN, Lula da Silva foi questionado sobre o papel que Dilma Rousseff teria num eventual próximo Governo e respondeu: "o tempo passou, há muita gente nova e pretendo montar o meu Governo com muitos jovens, muitas pessoas importantes e também experientes".

O político progressista, que governou o Brasil por dois períodos consecutivos entre 2003 e 2011, declarou ter o mais profundo respeito e carinho por Dilma Rousseff, a quem considera "uma pessoa de extraordinária competência".

No entanto, Lula da Silva acrescentou que, na sua opinião, a ex-Presidente, que foi retirada do poder num processo de destituição em 2016, não tem a paciência necessária para ouvir quem não concorda com o seu pensamento.

"Sou daqueles políticos que, se um cara [uma pessoa] conta uma piada que eu já sei, não vou contar que sei", vou pedir para ele contar de novo e, se for preciso, vou rir", disse.

Lula da Silva insistiu que só decidirá se será candidato à Presidência pelo Partido dos Trabalhadores (PT) nas próximas semanas, mas voltou a reconhecer que o seu número dois nas eleições poderá ser o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, que acaba de se desvincular do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), adversário histórico do PT.

Segundo Lula da Silva, isso vai depender da próxima filiação de Alckmin - um político conservador e liberal que pode aproximá-lo dos mercados e conter a desconfiança que o seu nome gera no empresariado.

O ex-Presidente também acrescentou, numa aparente referência ao ressentimento que Alckmin gera no seu próprio partido e na esquerda em geral, que o seu desejo é que "o PT entenda a necessidade de fazer alianças" para enfrentar a extrema-direita liderada pelo atual Presidente, Jair Bolsonaro.

CYR // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

NATO: Exercícios militares programados nos países bálticos começaram hoje

Riga, 16 mai 2022 (Lusa) - A NATO iniciou hoje na Estónia um exercício militar com 15.000 soldados estónios e da Aliança, com o qual abre uma série de manobras na região do Báltico, planeada e agendada antes da invasão russa da Ucrânia.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.