Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Escritor ugandês libertado sob fiança voltou a ser detido horas depois

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Kampala, 25 jan 2022 (Lusa) -- O escritor ugandês Kakwenza Rukirabashaija, de 33 anos, que deveria aguardar em liberdade o seu julgamento, por decisão judicial anunciada hoje, foi novamente detido pelas autoridades, anunciou em Kampala o seu advogado.

Eron Kiiza disse desconhecer onde se encontra detido o seu cliente, um escritor de ficção satírica, que tem julgamento marcado para 01 de fevereiro.

O advogado, que desconhece o que se passou, afirmou que recebeu informações de que Rukirabashaija foi levado da prisão de segurança máxima onde estava detido, nos arredores de Kampala, por homens não identificados que pareciam agentes da segurança.

Os documentos do tribunal que Eron Kiiza levava e que estabeleciam a decisão judicial da libertação sob fiança foram confiscados.

Rukirabashaija, que está detido desde 28 de dezembro, foi acusado no início deste mês das acusações de "comunicação ofensiva" por seus alegados esforços na rede social Twitter para "perturbar a paz" do Presidente da República, Yoweri Museveni, e do filho deste, tenente-general Muhoozi Kainerugaba, comandante das forças de infantaria do país da África Oriental.

Kakwenza Rukirabashaija foi acusado em 11 de janeiro de "linguagem ofensiva" contra Yoweri Museveni, no poder desde 1986, e contra Muhoozi Kainerugaba, numa série de intervenções na rede social Twitter.

Rukirabashaija é o autor do romance satírico "The Greedy Barbarian" ('O Bárbaro Ganancioso'), que descreve um país imaginário atormentado pela corrupção.

Recentemente, o escritor intensificou as suas críticas a Kainerugaba, um general que muitos veem como o sucessor do seu pai, atualmente com 77 anos, chamando-lhe "gordo" e "resmungão".

De acordo com um documento divulgado pelo tribunal de Kampala no passado dia 11, os procuradores acusam o escritor de, "intencional e repetidamente", ter utilizado a sua conta na rede social Twitter para "perturbar a paz de sua Excelência [Yoweri Museveni], sem um propósito legítimo de comunicação".

O Ministério Público já contestou uma primeira decisão judicial, que determinou a libertação "incondicional" do escritor.

Os Estados Unidos e a União Europeia, entre outros, apelaram à libertação de Rukirabashaija.

Detido várias vezes desde a publicação de "The Greedy Barbarian", Kakwenza Rukirabashaija revelou ter sido torturado durante interrogatórios relacionados com o seu livro.

Visto como reformador quando tomou o poder em 1986, Museveni tem desde então reprimido sistematicamente a dissidência política no Uganda. Também alterou a Constituição do país, que lhe permite hoje ser reeleito sem quaisquer restrições.

El (APL) // JH

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Governo vai receber combustível da Polónia e apela à Europa para ajudar

A ministra do Desenvolvimento Económico da Ucrânia, Yulia Swyrydenko, anunciou hoje que a Polónia vai fornecer ao seu país 25.000 toneladas de combustível, referindo que o Governo está a lutar para equilibrar o mercado e retomar as exportações. 

"A ajuda da Polónia vai contribuir para estabilizar significativamente a situação no mercado de combustíveis", disse a ministra, citada pela agência de notícias polaca PAP, depois de se ter reunido, em Kiev, com a sua homóloga do país vizinho, Anna Moskva.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.